GOVERNO » Compras Governamentais

Governo faz opção preferencial pela nuvem em contratos de TI

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/04/2019 ... Convergência Digital

O governo federal tem novas regras para os contratos de tecnologia da informação e comunicações pelos órgãos públicos. Em duas novas portarias e duas instruções normativas publicadas nesta sexta, 5/4, a secretaria de governo digital determina a opção preferencial pela computação em nuvem, a integração obrigatória à plataforma online de serviços governamentais e um controle maior do Ministério da Economia sobre contratos acima de R$ 28 milhões.

“A ideia é induzir nuvem. Todo mundo que for renovar ou ampliar centros de dados terá que justificar uma solução que não seja nuvem. A gente quer corrigir um caminho que vinha sendo mal trilhado. A esplanada tem cerca de 130 Datacenters, muitos deles pouco utilizados ou sem manutenção. Vinha se investindo muito numa solução que atrapalha o compartilhamento e aumenta o gasto. Com a nuvem é o contrario, reduz custo e amplia a possibilidade de compartilhamento”, afirma o diretor de operações compartilhadas da Secretaria de Governo Digital, Merched de Oliveira.

As portarias tornam compulsório o autodiagnóstico que o órgão central de TI até aqui pedia para que os órgãos preenchessem e faz uma modificação sensível na governança de tecnologia da informação governamental ao privilegiar a indicação de militares e servidores de carreira. O cerne dos procedimentos de contratação estão em uma nova IN 1 (que substitui a IN 4), enquanto a IN 2 estabelece os degraus de supervisão com base no valor das aquisições.

Significa que as compras acima de R$ 28 milhões terão que ser aprovadas por um comitê formado pela SGD e pela Secretaria de Gestão do Ministério da Economia. E aquelas acima de R$ 57 milhões precisarão do aval de quatro secretários – os titulares das áreas de desburocratização, gestão, governo digital e gestão corporativa do Ministério da Economia.

Segundo balanço da SGD, são cerca de um quarto das compras totais de tecnologia da informação. Ao avaliar compras entre novembro de 2017 a novembro de 2018, encontrou 3.390 mil contratações de TI, que somaram R$ 8,1 bilhões. Aquelas acima de R$ 28 milhões foram apenas 20 contratações, mas somaram R$ 1,8 bilhão, ou 22% do total. E delas, apenas quatro foram compras de TI acima de R$ 57 milhões.

No geral, as regras exigem planejamento para todas as aquisições acima de R$ 17 mil (até aqui apenas para acima de R$ 170 mil). E o planejamento deve ser antecipado, com planos de compras anuais submetidas ao sistema eletrônico de planejamento e gerenciamento de contratações, até o ano passado exigido para compras em geral, mas que agora também é obrigatório para as relacionadas a produtos e serviços de TICs.

No resumo do rearranjo, a IN consolida regras dispersas, como vedações já em curso para compras de salas-cofre ou soluções de autenticação. E incorpora a mencionada opção preferencial pelo uso de ferramentas e soluções em computação em nuvem, que gradativamente vai ser incorporada a cada nova contratação: “Os órgãos e entidades que necessitem criar, ampliar ou renovar infraestrutura de centro de dados deverão fazê-lo por meio da contratação de serviços de computação em nuvem, salvo quando demonstrada a inviabilidade em estudo técnico preliminar da contratação.”

Permanecem as orientações de obediência à Norma Complementar 14, do Departamento de Segurança da Informação do GSI, que impede o uso da nuvem para informações classificadas e exige que fiquem em território nacional dados gerados e geridos pelo governo. A nova IN 1 exige que os fornecedores apresentam certificações de normas de segurança da informação e garantam a portabilidade de dados e softwares.

Além disso, a norma reforça o caminho de digitalização dos serviços oferecidos pelo governo ao determinar que as contratações de soluções de TIC deverão estar necessariamente integradas à Plataforma de Cidadania Digital, a página web serviços.gov.br, quando tiverem por objetivo a oferta digital de serviços públicos.




Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Pontes: Corte de 42% no orçamento deixa MCTIC 'com a corda no pescoço’

“Ao longo dos anos o ministério veio perdendo prestigio e o orçamento veio caindo. Precisamos de muito apoio para melhorar o orçamento para o ano que vem, porque  o deste ano já está feito”, afirmou o ministro Marcos Pontes.

Receita Federal decide cobrar IPI das impressoras 3D

Para o Fisco, a atividade de impressão em 3D caracteriza-se como uma operação de industrialização na modalidade de transformação.

"Espero que dinheiro da base de Alcântara não vire outro FUST", diz Marcos Pontes

Segundo explicou no Senado Federal, o acordo é uma autorização dos Estados Unidos para lançamentos de foguetes na base brasileira. Mas não há ainda definição de quem vai ficar com os recursos da operação comercial da base.

Félix Mendonça Junior (PDT-BA) é o novo presidente da CCT da Câmara

Parlamentar que dar atenção especial  para a discussão da chegada do 5G no Brasil e também nas novas tecnologias, entre elas, o reconhecimento facial.

Ministério da Economia vai concentrar pagamentos ao Serpro por base do CPF

Órgãos públicos têm 12 meses para estarem todos ligados à plataforma de interoperabilidade dos dados federais, ConectaGov. Contratos com Serpro serão firmados e assumidos pela Secretaria de Governo Digital, revela ao Convergência Digital, o secretário Luis Felipe Salin Monteiro.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G