Home - Convergência Digital

Com 5G, Internet das coisas entra no radar dos bancos no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 07/05/2019

Se a massificação da banda larga transformou o aplicativo no celular o canal preferido do brasileiro para fazer transações bancárias, as instituições financeiras já estudam como usar a conexão dos objetos, oriunda da Internet das Coisas, quando o 5G estiver disponível no Brasil, afirmou o diretor de Tecnologia da Federação Brasileira de Bancos, Febraban, Gustavo Fosse.

"O trabalho é forte em robótica, em inteligência artificial, em big data, em analytics, em blockchain, mas também já há bancos estudando como vão usar Internet das Coisas quando o 5G ficar disponível. O futuro já se trabalha agora", observou Fosse, durante coletiva para a divulgação da 27ª edição da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019 da Federação Brasileira de Bancos - Febraban, nesta terça-feira, 07/05, em São Paulo.

O levantamento deixou claro que 80% dos bancos investem, hoje, em big data/analytics, 67% estão investindo em blockchain, 73% aplicam recursos para inteligência artificial e computaçao cognitivia, 60% investem em robotics e 60% estão trabalhando para ter o open banking e marketplaces, sendo que este último, dependerá muito do interesse de cada segmento em compartilhar informações, observa Fosse.

Os investimentos em novas tecnologias são tendência. Tanto assim em 2018, meio bilhão de reais foram aportados a mais para software e serviços, por conta do incremento do uso da computação em nuvem, do big data e da inteligência artificial. O estudo da Febraban mostra que o número de transações bancárias com movimentações financeiras cresceu cerca de 33%.

O avanço de 80% na quantidade de transações com movimentações financeiras por celular foi puxado, principalmente, pelo crescimento número de contas pagar por esse canal (que chegou a 1,6 bilhão, em 2018) e de 119% na quantidade de DOCs, TED e outras transferências de quantias em contas bancárias (862 milhões).O brasileiro também contratou mais crédito pelo celular: foram 359 milhões de contratações em 2018, com aumento de 60% em relação ao ano anterior.

A Pesquisa, que contou com a participação de 20 bancos, também aponta que as comunicações feitas digitalmente também cresceram de maneira considerável. As interações feitas entre clientes e bancos por web-chat tiveram um crescimento de 364%, e chegaram a 138,3 milhões no ano passado. Já os atendimentos via chatbot passaram de 3 milhões, em 2017, para 80,6 milhões no ano passado, ou seja, aumentaram 2.585%.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/01/2020
TelComp: Há temas negligenciados no debate sobre o 5G no Brasil

22/01/2020
CEOs cobram Trump para 'fazer' o 5G nos Estados Unidos

21/01/2020
América Latina já conta com cinco redes de 5G

17/01/2020
CNI quer que Bolsonaro inclua autorização tácita no Decreto da Lei das Antenas

15/01/2020
Edital 5G e cálculo para o fim das concessões entre as prioridades da Anatel em 2020

08/01/2020
Falta profissional para pegar no 'pesado' do 5G

06/01/2020
5G dará poder à inteligência das coisas

18/12/2019
TIM instala polo de estudos de 5G em São Paulo

18/12/2019
França aprova leilão 5G, que garante 50 MHz em 3,5-3,8 GHz para cada tele móvel

17/12/2019
Telefónica avisa que vai cortar drasticamente Huawei do 5G

Destaques
Destaques

Falta profissional para pegar no 'pesado' do 5G

Os jovens não querem trabalhar na instalação e manutenção das redes móveis e faltam equipes para atender a demanda das operadoras. "Esse trabalho não é 'atrativo' e precisamos criar algo para fazer os jovens apostarem na área", advertiu o chairman da FCC, Ajit Pai.

O carro será uma Internet das Coisas

A projeção é do CIO para a América Latina da Fiat Chrysler Automobiles, André Souza Ferreira. Segundo ele, como um dispositivo conectado, o carro será um provedor de serviços ao cidadão.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site