Convergência Digital - Home

Fintech vai à CVM e pede autorização para competir com a B3

Convergência Digital
Convergência Digital* - 15/05/2019

O mercado de capitais movimentou no ano passado mais de R$223,7 bilhões segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiras e de Capitais (Anbima). Por ele são distribuídos valores mobiliários que proporcionam a liquidez almejada principalmente pelas empresas, viabilizando seu processo de capitalização através do interesse do investidor, pessoa física ou institucional (fundos ou instituições financeiras), que busca maiores retornos.

Esse mercado é constituído pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas pela CVM e Banco Central. Quem quer entrar para este rol é a Mark 2 Market, hoje uma fintech que entrega sua solução em nuvem e seus serviços para as tesourarias de grandes empresas, simplificando suas rotinas, consolidando e agilizando o acesso às melhores práticas. Ao todo, são mais de R$ 180 bilhões controlados entre dívidas, aplicações e derivativos.

A categoria pretendida pela Mark 2 Market é conhecida como Infraestrutura do Mercado Financeiro, ou IMF, que são organizações que possibilitam às empresas e investidores se encontrarem e obterem informação umas das outras e sobre as operações realizadas, de forma segura e independente. Operar em ambientes como este é uma condição para comprar e vender títulos, por exemplo. Nele são oferecidos serviços como registro, depósito e liquidação, entre outros. Atualmente apenas a B3 tem esta oferta no Brasil, seja no mercado de renda fixa, seja no de ações.

A entrada neste mercado depende de autorização do regulador e a Mark 2 Market protocolou nos últimos dias pedido junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para que possa atuar como uma Central Depositária de Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), neste primeiro momento, mercado em que hoje já controla mais de metade das emissões.

A empresa está buscando uma disrupção da oferta de soluções e serviços em um mercado com espaço para novas tecnologias, como blockchain, por exemplo, mas também ávido por mudanças de paradigma no tipo de atendimento e valor que uma IMF pode gerar, seja pela eficiência operacional, transparência ou mesmo inovação tecnológica.

“Com nossa aplicação já conseguimos gerar valor às empresas e temos grande reconhecimento pelo nosso atendimento, que entende o dia a dia de nossos clientes. Com este passo queremos mais, e acreditamos que é possível transformar uma infraestrutura de mercado em um serviço mais tecnológico, menos burocrático, mais ágil e transparente aos diversos participantes.” revela Rodrigo Amato, CEO da Mark 2 Market.

A M2M atua com uma plataforma 100% SaaS, em nuvem, que fornece o cálculo automatizado dos instrumentos financeiros, já alimentado diariamente com curvas e dados de mercado, além de serviços e equipe especializados em tesouraria para demandas pontuais ou recorrentes, como o atendimento à auditoria e contabilidade.


Destaques
Destaques

Salesforce: blockchain é a resposta para retomada da confiança digital

Blockchain vai trazer mais rapidez, eficiência e transparência, sustenta o o diretor de Marketing da Salesforce para a América Latina, Daniel Hoe. Empresas brasileiras já testam a solução da Salesforce.

Banestes investe na nuvem para vender serviços digitais em todo o Brasil

Banco público do Espírito Santo conduz uma transformação de sistemas para a oferta de novos produtos, mas o CIO, Silvio Grillo, diz que a mudança cultural é tão relevante quanto a tecnologia.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site