GOVERNO » Legislação

Senado aprova MP 869 e Autoridade de Dados vai à sanção

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/05/2019 ... Convergência Digital

O Plenário do Senado Federal aprovou nesta quarta, 29/5, a conversão em lei da MP 869/18, que cria a autoridade nacional de proteção de dados, nos mesmos termos aprovados pela Câmara dos Deputados um dia antes. O texto vai agora à sanção presidencial.

“Vivemos na Era da informação e não há duvida que os benefícios são inúmeros, mas a discussão paralela que se faz é o preço que estamos dispostos a pagar por estarmos conectados ao mundo. A cada segundo cidadãos deixam trilha de informações pessoais, das mais complexas às mais triviais, uma série de dados capazes de nos identificar. A vulnerabilidade do consumidor é imensa e nos faz temer o que é feito dos nossos dados”, ressaltou o senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), que foi o relator-revisor da MP na comissão mista sobre o tema.

Se na Câmara o texto costurado pelo deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) já tinha passado em votação tranquila e por acordo, no Senado sequer houve discussão. Além do consenso firmado sobre a solução proposta no texto – mais uma vez apontada como não a ideal, mas a possível – pesou o fato de que a MP 869/18 perderia validade na próxima segunda, 3/6.

“O órgão estabelecido na MP veio mais frágil que aquele vetado ainda pelo presidente Michel Temer, o que poderia enfraquecer sua atuação. A experiência internacional aponta para a necessidade de se garantir independência da autoridade dedados, com autonomia não apenas técnica, mas decisória, hierárquica e financeira. Inicialmente o órgão ficará ligado à Presidência da República, mas há um dispositivo que garante a transição jurídica em dois anos”, emendou o senador Rodrigo Cunha.

Dessa forma, em princípio a ANPD fará parte da estrutura da Presidência, tendo um Conselho Diretor formado por cinco membros designados pelo presidente com mandato de quatro anos, não coincidentes – os mandatos dos primeiros membros serão de dois, de três, de quarto, cinco e seis anos.

Também constitui a agência um Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, composto de 23 representantes, sendo cinco do Poder Executivo, um da Câmara, um do Senado, um do Conselho Nacional de Justiça, um do Conselho Nacional do Ministério Público, um do Comitê Gestor da Internet, três de entidades da sociedade civil com atuação relacionada à proteção de dados, três de instituições científicas, três de confederações sindicais empresariais, dois de entidade do setor empresarial relacionado ao tratamento de dados, dois de entidades de trabalhadores.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Brasscom: Prorrogação da desoneração da folha gera 335 mil novos postos de trabalho em TI

Entidade assume manifestação favorável à MP 936/20, que permite a prorrogação da desoneração da folha - que terminaria em dezembro deste ano até 2022. Sem o benefício, entidade alerta para demissões e o fim de 84 mil postos de trabalho. Ministério da Economia, no entanto, se posiciona de forma contrária à medida.

MPF e Defensoria da Paraíba entram com ação pública contra União, Dataprev e Caixa

Ação públicas pede aos órgãos corrijam falhas sistêmicas de TI  na concessão do benefício ao cidadão.

Agência Espacial abre edital para lançamentos comerciais na base de Alcântara

AEB é responsável pelas tratativas iniciais com as empresas, nacionais ou estrangeiras, interessadas em utilizar a base brasileira para lançamento de veículos espaciais.

PL quer adiar venda do Serpro, Dataprev, Telebras e outras estatais

Proposta, que está em análise na Câmara dos Deputados, ressalta que o 'períodos de crise são um excelente momento para quem compra e péssimo para quem vende'. Privatizações estão agendadas para junho de 2021. Ideia é adiar as vendas para 12 meses após o fim da pandemia de Covid-19.

STF derruba MP que mandava teles repassarem dados de clientes ao IBGE

Prevaleceu o entendimento da relatora, Rosa Weber, de que a ordem de recolher nome, endereço e telefone de todos os clientes de telefonia fixa e móvel configura medida excessiva, sem finalidade delimitada ou garantias suficientes. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G