Convergência Digital - Home

Containerização vira prioridade na oferta de IaaS no mercado nacional

Convergência Digital
Convergência Digital - 03/06/2019

Os provedores brasileiros de infraestrutura na nuvem, representados pela AbraHosting (que respondem por 60% do tráfego da Internet no Brasil), estão se movendo rapidamente para explorar um novo e mais radical modelo de virtualização de processos denominado "computação por container".

Depois de consolidar suas ofertas de serviços através da configuração de máquinas virtuais (ou virtual machines) em lugar dos servidores físicos, o que eles começam a ofertar agora é um tipo de infraestrutura ainda mais abstrato. Na computação por container, o processamento de aplicações do cliente não acontece nem mesmo em uma máquina virtual específica, com sua configuração de servidor, bancos de dados, etc; e sim através da alocação de recursos para "microsserviços" de processamento localizados em qualquer parte da nuvem e adquiridos no modelo pay as you go (ou pague pelo que usar).
 
De acordo com Luís Carlos dos Anjos, presidente da AbraHosting, esta arquitetura de serviços mais flexível, e sem limites de hardware, é fundamental para suportar novas formas de negócios online, como aplicativos de transporte urbano, fast-food sob demanda, pequenas compras com entrega instantânea ou venda de filmes em streaming  para assinantes. "Parte desses negócios "disruptivos" provoca grandes picos de demanda de computação em certos horários, dias ou épocas do ano, e geram ociosidade significativa em outros", afirma o executivo.

Em uma enquete realizada com seis provedores representativos de sua base de associados, a AbraHosting detectou que a maior parte dos fornecedores de infraestrutura em nuvem já está ofertando serviços nesse tipo de ambiente, como é o caso da KingHost, Hosting Machine, CentralServer e EVEO. Entre seis associados consultados, apenas um ainda não vê a containerização como prioridade para o curto prazo.

Cada 'core business' em seu quadrado

Na visão de Steve Ambrus, gerente geral da Hosting Machine, o processamento por container tende a se consolidar como padrão para o mercado corporativo de hospedagem em nuvem, mas isto depende em grande parte do modelo de negócios de cada cliente. "Se o core business dessa empresa exigir o processamento simultâneo de demandas envolvendo milhares de dispositivos móveis, por exemplo, nada mais natural do que partir para o microsserviço", avalia Ambrus.

Segundo Juliano Simões, CEO da CentralServer, o grande benefício do modelo está na execução de aplicações, que pode ser realizada em diferentes lugares, sem a necessidade de alteração de códigos. "No conceito 'build once, run anywhere', o programador cria sua aplicação num notebook e simplesmente a envia para o provedor em nuvem, colocando-a imediatamente em produção", explica ele.

"Na comparação com a hospedagem virtual ou física tradicionais, fica claro que o uso de containers torna mais eficiente o suporte a aplicações e aumenta a rapidez da ativação de serviços, exigindo tempo muito menor em testes e configuração", acrescenta Juliano Primavesi, CEO da KingHost.

Uma das primeiras empresas a implementar sua estrutura de containers no Brasil,  a EVEO, já tem uma parte significativa de suas receitas baseada na entrega de SaaS e IaaS para grandes usuários de aplicações interativas que necessitam de capacidade de computação elástica. "Não temos dúvida de que este modelo irá explodir nos próximos anos, mas a avalanche só vai ocorrer depois que os chamados big three (uma referência às gigantes Amazon, Google e Microsoft) resolverem impor este padrão", acredita João Júnior, diretor de negócios da EVEO.

Na visão do especialista, o mercado global ainda está um passo atrás em relação a esta explosão porque há muitas empresas - inclusive algumas muito grandes - que ainda estão relutando até mesmo em abolir suas instalações físicas próprias (on-premise) e iniciar a decolagem para a nuvem. A AbraHosting monitora os investimentos e tendências tecnológicas dos provedores brasileiros na nuvem e, segundo sua visão, as ofertas nacionais de serviços na área estão no mesmo nível de atualidade dos concorrentes globais.

Fonte: Assessoria da AbraHosting


Destaques
Destaques

Menos de 20% das empresas migraram cargas de trabalho para a nuvem na América Latina

A transformação digital passa pela nuvem, mas ainda há muito espaço para colocar as cargas de trabalho no ambiente cloud, pontuou David Farrell, da IBM. Empresa anunciou a criação, em 2020, de uma multizone region latino-americana, a sétima do tipo da IBM no mundo.

Uma empresa utiliza, em média, 1295 serviços na nuvem

Relatório Netskope Cloud Report aponta que as três principais violações de política detectadas em serviços de nuvem corporativa incluem Prevenção a Perda de Dados (DLP), política de atividade na nuvem e, violações de atividade atípica.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site