INOVAÇÃO

CIP investe R$ 3 milhões na Rede Blockchain do Sistema Financeiro Nacional

Por Roberta Prescott ... 12/06/2019 ... Convergência Digital

Depois de passar os últimos três anos analisando as tecnologias disponíveis e testando-as em projetos pilotos para entender como o blockchain poderia ser usado, as instituições financeiras anunciaram, no CIAB Febraban 2019, que acontece esta semana em São Paulo, a Rede Blockchain do Sistema Financeiro Nacional, a primeira rede blockchain para o setor e que possibilita o compartilhamento de informações entre as instituições parceiras, protegendo dados de forma acessível, ágil e segura. A iniciativa recebeu investimentos de R$ 3 milhões por parte da Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP), que administrará a rede.

A ideia é que a rede coloque à disposição dos bancos produtos baseados em blockchain. O primeiro caso de uso é o device ID. O projeto já havia sido apresentado em edições passadas do CIAB com o nome de DNA. O protótipo foi refinado e validado pelos bancos que integram o GT Blockchain Febraban. As instituições financeiras também trabalharam para estabelecer a rede, cujas estruturas de governança, de instrumentos jurídicos e de segurança ficaram a cargo da CIP e da Febraban.

Em 2017, o Convergência Digital havia explicado que o grupo de trabalho (GT) para blockchain na Febraban conduziu uma prova de conceito para averiguar o uso da tecnologia na gestão de identidades e que havia escolhido a plataforma permissionada Hyperledger Fabric da IBM. Chamada de Projeto DNA, a iniciativa de gestão de identidades propunha como benefícios para o sistema financeiro nacional a melhor experiência e um processo simples e eficiente para os clientes e, do lado das instituições, rapidez no cadastro, dados mais atualizados e potencial redução de custos. (https://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&UserActiveTemplate=mobile&infoid=45381&sid=148 )

O device ID usa blockchain para compartilhar identificações de dispositivos móveis. A partir dessas identificações, as instituições financeiras poderão enriquecer seus sistemas antifraude para verificar se um dispositivo específico é confiável ao avaliar, por exemplo, se é um aparelho perdido, furtado ou roubado. O device ID foi elaborado usando a plataforma Hyperledger Fabric, da IBM, e conta com a participação do Banrisul, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa, Itaú, JP Morgan, Original, Santander e Sicoob.

Em coletiva de imprensa, o superintendente-geral da CIP, Joaquim Kawakama, explicou que as informações sobre os aparelhos celulares são alimentadas na plataforma blockchain pelos bancos e são eles que apontam se o dispositivo pode ou não estar 'contaminado', deixando de ser seguro. A informação é compartilhada com os demais bancos que integram a rede, os quais, de posse dessa informação, tomam as devidas precauções e providências.

Kawakama adiantou que, além do Hyperledger Fabric, da IBM, a CIP também está contratando a Corda, da R3, para futuros desenvolvimentos de aplicações. "Também estamos trabalhando na interoperabilidade do Hyperledger Fabric com Corda", disse, explicando que a ideia é possibilitar que os bancos possam escolher qual tecnologia de blockchain querem usar. Kawakam adiantou que há projetos de casos de uso rodando em Corda que podem ser anunciados brevemente.

Com relação ao custo para os bancos, o superintendente-geral da CIP explicou que, por ser uma associação civil sem fins lucrativos que integra o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), a CIP vai cobrar apenas o necessário para custear os produtos que venham a ser lançados com base na Rede Blockchain do Sistema Financeiro Nacional. No entanto, no primeiro ano, não haverá cobrança. 


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Transformação digital é um dos temas da 4ª edição da O&G TechWeek

Evento, no Rio de Janeiro, vai  debater o impacto das tecnologias digitais no futuro dos segmentos de Upstream, Downstream, Gás e Energia e os possíveis desdobramentos em outros setores da economia.

Desafio em segurança e defesa premia startups com R$ 100 mil

Fintechs e Blockchain também são temas para a disputa, batizada de Conexão Defesa, e que acontece de 03 a 05 de setembor, em Florianópolis. Inscrições vão até o dia 20 de agosto.

Brasil cai duas posições em ranking global de inovação

Entre 129 países, o Brasil é o 66º mais inovador segundo o Índice Global de Inovação da Organização Mundial da Propriedade Intelectual. Na América Latina, País fica atrás do Chile, México e Costa Rica.

G7 manda recado ao Facebook: a criptomoeda Libra não será liberada tão fácil

As autoridades regulatórias globais não permitirão que o Facebook lance sua criptomoeda libra até que todas as suas preocupações, desde a lavagem de dinheiro até a estabilidade financeira, sejam resolvidas,revelou Benoît Coeuré, membro do conselho do Banco Central Europeu.

DBServer: competitividade exige uma nova maneira de fazer software

Ao completar 25 anos, a companhia gaúcha investe em novas tecnologias, entre elas, Blockchain, com o lançamento, em setembro, de um projeto dedicado à área de saúde, conta Verner Heidrich.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G