INOVAÇÃO

CIP investe R$ 3 milhões na Rede Blockchain do Sistema Financeiro Nacional

Por Roberta Prescott ... 12/06/2019 ... Convergência Digital

Depois de passar os últimos três anos analisando as tecnologias disponíveis e testando-as em projetos pilotos para entender como o blockchain poderia ser usado, as instituições financeiras anunciaram, no CIAB Febraban 2019, que acontece esta semana em São Paulo, a Rede Blockchain do Sistema Financeiro Nacional, a primeira rede blockchain para o setor e que possibilita o compartilhamento de informações entre as instituições parceiras, protegendo dados de forma acessível, ágil e segura. A iniciativa recebeu investimentos de R$ 3 milhões por parte da Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP), que administrará a rede.

A ideia é que a rede coloque à disposição dos bancos produtos baseados em blockchain. O primeiro caso de uso é o device ID. O projeto já havia sido apresentado em edições passadas do CIAB com o nome de DNA. O protótipo foi refinado e validado pelos bancos que integram o GT Blockchain Febraban. As instituições financeiras também trabalharam para estabelecer a rede, cujas estruturas de governança, de instrumentos jurídicos e de segurança ficaram a cargo da CIP e da Febraban.

Em 2017, o Convergência Digital havia explicado que o grupo de trabalho (GT) para blockchain na Febraban conduziu uma prova de conceito para averiguar o uso da tecnologia na gestão de identidades e que havia escolhido a plataforma permissionada Hyperledger Fabric da IBM. Chamada de Projeto DNA, a iniciativa de gestão de identidades propunha como benefícios para o sistema financeiro nacional a melhor experiência e um processo simples e eficiente para os clientes e, do lado das instituições, rapidez no cadastro, dados mais atualizados e potencial redução de custos. (https://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&UserActiveTemplate=mobile&infoid=45381&sid=148 )

O device ID usa blockchain para compartilhar identificações de dispositivos móveis. A partir dessas identificações, as instituições financeiras poderão enriquecer seus sistemas antifraude para verificar se um dispositivo específico é confiável ao avaliar, por exemplo, se é um aparelho perdido, furtado ou roubado. O device ID foi elaborado usando a plataforma Hyperledger Fabric, da IBM, e conta com a participação do Banrisul, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa, Itaú, JP Morgan, Original, Santander e Sicoob.

Em coletiva de imprensa, o superintendente-geral da CIP, Joaquim Kawakama, explicou que as informações sobre os aparelhos celulares são alimentadas na plataforma blockchain pelos bancos e são eles que apontam se o dispositivo pode ou não estar 'contaminado', deixando de ser seguro. A informação é compartilhada com os demais bancos que integram a rede, os quais, de posse dessa informação, tomam as devidas precauções e providências.

Kawakama adiantou que, além do Hyperledger Fabric, da IBM, a CIP também está contratando a Corda, da R3, para futuros desenvolvimentos de aplicações. "Também estamos trabalhando na interoperabilidade do Hyperledger Fabric com Corda", disse, explicando que a ideia é possibilitar que os bancos possam escolher qual tecnologia de blockchain querem usar. Kawakam adiantou que há projetos de casos de uso rodando em Corda que podem ser anunciados brevemente.

Com relação ao custo para os bancos, o superintendente-geral da CIP explicou que, por ser uma associação civil sem fins lucrativos que integra o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), a CIP vai cobrar apenas o necessário para custear os produtos que venham a ser lançados com base na Rede Blockchain do Sistema Financeiro Nacional. No entanto, no primeiro ano, não haverá cobrança. 


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Adarsh Kumar, Capgemini: open banking é transformador, mas dados pertencem aos clientes

O open banking vai mudar o modelo de serviços bancários, afirma o CTO e líder de cibersegurança para a América Latina da Capgemini.

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

O diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, garante que os dois modelos de negócio irão conviver, mas admite que as agências físicas vão mudar de perfil. Também revela que o Next mira um público mais jovem.

Brasileiro quer dar adeus às senhas com o uso maior da biometria

Sonho de consumo, revelado em estudo da IDEMIA, é de usar biometria para pagamentos online e para acessar ambientes dentro da própria casa. Brasil desponta em primeiro lugar no uso da biometria pela impressão digital, mas despenca posiçoes no uso do reconhecimento facial.

Com novo aporte de US$ 150 milhões, Loggi é o mais novo unicórnio brasileiro

Startup voltada para entregas expressas atingiu valor de US$ 1 bilhão com nova rodada de investimentos. Empresa afirma que vai montar uma equipe com mais de 1000 desenvolvedores para ser referência mundial em Inovação.

Vivo reduz em 36% suas emissões de CO2

Desde outubro de 2018, 100% do consumo de energia da Vivo passou a ser proveniente de fontes renováveis, a partir da contratação de energia incentivada com atributo renovável no mercado livre.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G