Convergência Digital - Home

Banco Fibra é o primeiro não digital a estar 100% na nuvem

Convergência Digital
Convergência Digital - 10/07/2019

O Banco Fibra, direcionado para grandes e médias empresas dos setores de agronegócio e corporativo, migrou integralmente suas aplicações para o ambiente de nuvem da Amazon Web Services (AWS), tornando-se o primeiro banco tradicional com estrutura originalmente on premises a alcançar tal feito. A migração foi feita com o suporte da Claranet Brasil, provedora de serviços gerenciáveis de TI presente no Brasil desde 2016.

A partir de agora, serviços como Internet Banking, sistema jurídico e de pagamentos, entre outros, rodam integralmente em uma plataforma de nuvem - o que deve garantir um retorno financeiro 6% maior em um período de cinco anos, além de oferecer mais estabilidade e escalabilidade às aplicações, e mais segurança aos clientes e colaboradores da instituição.

De acordo com Mauro Miyazato, especialista de infraestrutura de TI do Banco Fibra e líder do projeto, a empresa está muito animada com o projeto. "Estamos muito orgulhosos em ser o primeiro banco tradicional - não nascido digital - a fazer a migração absoluta e total para a nuvem. Este é sim um motivo para comemorarmos, mas principalmente um grande desafio devido às altas expectativas que os clientes depositam em nós como precursores de uma iniciativa como esta", comenta.

Heverton Parpinelli, Gerente de Infraestrutura e Operações da instituição e um dos responsáveis pelo projeto, explica que "continuar com datacenters on-premises não parecia mais viável, sobretudo em um cenário com a necessidade de evolução tecnológica cada vez maior e mais ágil. Os equipamentos que eram utilizados estavam se depreciando e a renovação desse parque proprietário teria um custo de investimento maior do que o previsto para realizar uma migração completa e operar na nuvem. Ao adotar a nuvem da AWS, o Banco pode evoluir as plataformas para algo mais inovador e iniciar a aplicação da cultura de DevOps com maior facilidade".

A migração para a nuvem vai possibilitar ao Banco Fibra maior capacidade de operação, que a partir de agora tem um potencial ilimitado de espaço. Daniel Galante, Managing Director da Claranet Brasil responsável pelo projeto, destaca que "a mudança também possibilitou uma análise real dos dados que o banco possui, o que pode ajudar a produzir insights mais acurados sobre sua atuação no mercado, além de manter um ambiente mais seguro.

No processo de migração, foram respeitadas todas as regulamentações previstas pelo Banco Central, que no início do projeto ainda não havia definido regras muito específicas para este tipo de transformação digital em instituições financeiras e precisou criar novas normativas para regulamentar a ação. O resultado final garante maior estabilidade do sistema para colaboradores e clientes, além de maior agilidade e menor custo.


Destaques
Destaques

Banco Central afrouxa regras de contratação de serviços na nuvem pelos bancos

A partir de agora, os contratos de serviços na nuvem não precisam mais de autorização prévia, a não ser nos casos em que houver armazenamento de dados fora do Brasil em países sem convênio entre autoridades monetárias. 

Rio de Janeiro terá licitação de nuvem para dados abertos do Governo

Processo está sendo conduzido pelo Ministério Público do Rio de Janeiro e ganhou 'musculatura' com a adesão do governo do Estado, revela o procurador geral da Justiça, José Eduardo Gussem.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site