GESTÃO

Hospital Santa Paula faz jornada digital, mas alerta para falta de cientistas de dados

Por Roberta Prescott ... 18/07/2019 ... Convergência Digital

Inaugurado em 1958, o Hospital Santa Paula, localizado na Zona Sul de São Paulo, já entendeu a necessidade de se transformar digitalmente e caminha na direção da chamada medicina da precisão. “Em oncologia, por exemplo, os hospitais brasileiros não têm nada a dever a americanos ou europeus. Hoje, em função de diagnóstico mais preciso, chegamos à personalização, ao detalhe, e dar ao paciente tratamento com maior probabilidade em comparação com genérica. Com mapeamento genético vamos dar amplitude maior e em pouco tempo - exame de mapeamento genético mais barato", diz o doutor Moacyr Campos, que está à frente da transformação digital do Hospital Santa Paula (HSP).

A medicina de precisão vai dar condições de maior assertividade a diagnósticos e permitir que medicamentos sejam personalizados para as necessidades de um indivíduo. Para tanto, é necessário melhorar a qualificação da informação captada, ampliar a capacitação da mão de obra e levar a cabo, de fato, a transformação digital. Neste esforço, o Santa Paula possui a certificação internacional Health Information and Management Systems Society (HIMSS), que trata da segurança da informação, da acessibilidade da informação e da integração da informação dentro do ambiente hospitalar.

"Ela vai do nível um ao sete, sendo um o básico, quando se inserem no prontuário do paciente exames como o de sangue, e o sete que é quando o hospital abole o papel, tendo toda informação incorporada ao prontuário sendo digital e a circulação da informação no hospital dentro do prontuário eletrônico. No Brasil são quatro ou cinco hospitais que têm o nível sete e o Santa Paula é um deles", diz Campos.

Para chegar a este nível, o hospital passou por diversas fases, desde a revisão dos processos até a integração com outros sistemas, como de fornecedores de laboratório, exames de imagens, integração com médicos que trabalham. Campos ressalta que um dos principais esforços foi para preparar os colaboradores e instigar os fornecedores para trafegar neste ambiente digital.

"A qualificação do profissional, incluindo médico e enfermeira, é necessária. Eles precisam ter uma formação que antes não era do dia a dia deles", conta. "Eles têm de ter habilidade, treinamento e capacitação não somente na atividade-fim deles, mas também com o entendimento de estar a par do que acontece na área tecnológica", completa.

Com relação aos profissionais de tecnologia que são necessários para atender a este novo hospital, Moacyr Campos explica que não falta mão de obra para fazer manutenção dos sistemas ou o treinamento dos médicos para usar o prontuário. Faltam profissionais para trabalhar com big data, data lake, ou seja, pessoas que trabalhem na parte analítica e que consigam conferir inteligência aos dados captados.

Contar, por exemplo, com um epidemiologista que saiba trabalhar com linguagens da área de big data é algo ainda distante, mas que está nos planos do segmento hospitalar. "Estão surgindo novas demandas e temos lacunas a preencher como com profissionais de big data, que saibam lidar com estatística, com a criação de algoritmos, que trabalhem com inteligência artificial e com robôs para construir informação em cima de um banco de dados imensos que temos". A matéria completa pode ser lida aqui.


Paraná adota Inteligência Artificial para agregar serviços ao cidadão

Os serviços desenvolvidos pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar)são as ferramentas eleitas pelo Governo do Estado para ampliar a digitalização dos serviços, revela André Telles, assessor especial de Gestão Inteligente e Inovação.

Plataforma consumidor.gov.br atinge a marca de 2 milhões de registros

No ano passado, o índice médio de solução de conflito foi de 81%.  Projeto completa cinco anos e envolve a Secretarian Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça e o Tribunal de Justiça de São Paulo.

Projeto de Lei quer enquadrar apps como 99 e Uber no Código do Consumidor

Hoje, diz o autor do PL, deputado Sérgio Vidigal (PDT/ES), o atendimento desses aplicativos é insatisfatório e viola as normas existentes de defesa do consumidor. Uma das medidas impostas é a obrigação de ter um SAC por telefone, funcionando 24 horas.

INPI promete reduzir prazo para registro de chips de 70 para 7 dias

Sistema batizado ‘e-Chip’ permitirá a solicitação online no caso de topografias de circuitos integrados. Plano de digitalização dos serviços também prevê que o Instituto vai aceitar pagamento por cartão, no lugar da GRU. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G