TELECOM

Justiça nega recurso da Anatel e mantém Fox+ liberada na internet

Luís Osvaldo Grossmann ... 30/07/2019 ... Convergência Digital

A Justiça Federal voltou a derrotar a Anatel na questão da oferta de conteúdo da TV paga por meio da internet. Nesta terça, 30/7, o juiz federal Ilan Presser rejeitou os argumentos da agência e manteve suspensa a cautelar da superintendência de competição que proíbe a veiculação de canais do grupo Fox pela internet para quem não é assinante do serviço de TV por assinatura. 

“A veiculação, por meio de aplicativo do acesso aos ‘Canais FOX’, com conteúdos organizados em sequência temporal linear (transmissão simultânea no aplicativo dos canais disponíveis também na TV por assinatura), sem a exigência de assinatura de operadora de TV, para a prestação do serviço, não constitui infração ao marco regulatório vigente”, entendeu o juiz. 

Segundo ele, a separação que a Lei do Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11) exige entre produção e distribuição não se aplica à internet porque foi superada pelo Marco Civil da Internet (Lei 12.485/14). 

“A restrição contida no art. 5° da lei 12.485/2011 – na linha de que quem produz conteúdo não pode distribuí-lo – não subsiste para o ambiente da internet”, afirma, para emendar que em relação ao ambiente da conexão telemática, houve a revogação tácita, da restrição da lei do Seac pelo Marco Civil da Internet”. “Revogação implícita, para o ambiente da internet, ante a especialidade e posteridade da lei 12.965/2014”, ressaltou. 

A Anatel alegou que permitir o acesso ao conteúdo de programação linear sem autenticação, e sem a exigência de assinatura para esse serviço, conduziria ao ‘esvaziamento da cadeia de valor’ traçada pela Lei no 12.485/2011, com “o condão de representar ‘um verdadeiro caos’ para o setor em virtude da possibilidade de fácil replicação do modelo de negócio por outros programadores, com a tendência consequencial de desvirtuamento do modelo e dos valores albergados pela lei. Por exemplo, com a diminuição de agentes econômicos de produção audiovisual brasileira.” 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Procon de SP multa Telefônica em R$ 3,5 milhões por cobranças indevidas

Defesa do consumidor alega que operadora cobrou por serviços não realizados, cancelados ou não solicitados. 

PGR:Lei de Santa Catarina que proíbe cobrança de valor adicionado é inconstitucional

“Lei estadual que proíbe a oferta e a cobrança de serviços de valor adicionado pelas prestadoras de serviços de telecomunicações é inconstitucional por usurpação da competência material e legislativa da União”, sustenta o procurador-geral da Repúublica interino, Alcides Martins.

TJ-RJ mantém condenação da Oi em R$ 200 milhões por contrato na área de games

Por não enxergar nulidade no laudo pericial que atestou as perdas e danos sofridas pelo rompimento do contrato de prestação de serviços de jogos eletrônicos, a 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou o agravo da operadora.

Força-tarefa da Anatel interrompe 25 emissoras clandestinas em São Paulo

Operação estava interferindo no controle de tráfego aéreo do aeroporto de Guarulhos. Também foram desmantelados 20 pontos onde a energia elétrica que alimentava os equipamentos de transmissão era furtada, com apreensão de cerca de uma tonelada de cabos de energia, em conjunto com a distribuidora local.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G