TELECOM

Oi: Fibra e pós-pago vão trazer receitas de volta

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/08/2019 ... Convergência Digital

Ainda sob o impacto do processo de reestruturação judicial, a Oi sofre a erosão das conexões suportadas pela rede de cobre e o enxugamento dos chips de celular. Mas aposta que vai comer pelas beiradas parte do novo mercado calcado na fibra óptica e na telefonia móvel 4G. 

“Temos boas perspectivas para a trajetória das receitas. Do lado móvel, chegamos a mais da metade da receita com pós-pago. E no residencial, o avanço da receita com fibra está desacelerando a queda. Mas isso leva tempo. Ainda vamos ver alguns tropeços no segmento residencial em termos de receita devido ao processo de transição de cobre para fibra”, resumiu o diretor financeiro da Oi, Carlos Brandão, durante apresentação de resultados nesta quinta, 15/8. 

Os dados financeiros aontam que a empresa teve receita líquida de R$ 5 bilhões no segundo trimestre deste 2019, 8,2% abaixo de 12 meses antes. Os R$ 10,2 bilhões da soma do primeiro semestre também são 8,9% menos que o mesmo período no ano passado. 

Pesou o desempenho no segmento residencial, que teve queda de 12,1% no segundo trimestre (R$ 1,8 bi) e de 13,4% nos seis primeiros meses (R$ 3,7 bi), e que baseia a avaliação da empresa de que na “transição do cobre para fibra” perdeu terreno para provedores internet, de onde o foco da nova estratégia. 

“A gente esta competindo com provedores de internet. Estamos instalando nossas redes e o resultado dessa concorrência envolve a força da marca e a atratividade comercial das velocidades que conseguimos ofertar. Nas cidades de maior porte a concorrência é mais acirrada e por isso estamos priorizando áreas urbanas onde competimos com provedores de internet”, explicou o diretor comercial Bernardo Winik. 

Na telefonia móvel, a Oi reflete o cenário geral de enxugamento dos chips pré-pagos e de migração para o pós pago com a expansão do 4G – que no caso específico da Oi “esbarra na dificuldade de investimento que leva a uma expansão seletiva do 4G”. 

Se no geral a Oi fechou o primeiro semestre de 2019 com perda de 5,4% da base total, ou ‘unidades geradoras de receita’, na telefonia móvel o recuo foi de 4,9%, puxado por 11,1% menos acessos pré-pagos (para 26,1 milhões), mas com alta de 21,3% nos pós-pagos (8,5 milhões). Com isso, a receita móvel caiu 3,7% no trimestre e 3,8% no semestre, para R$ 3,3 bilhões. 


Internet Móvel 3G 4G
Governo cria loja própria para evitar fraudes e unificar acesso aos apps

Iniciativa já conta com 40 aplicativos cadastrados na loja 'governo do Brasil', disponível na Play Store e Apple Store. Os mais baixados são os do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Digital.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

A decisão é da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça que entendeu aplica-se a esses casos o disposto no artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.

Juiz manda CVM investigar compra e venda de ações da Oi

O juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, afirma na ordem encaminhada à Autarquia Federal que é 'preciso que se tentha conhecimento de toda e qualquer forma de capitação especulativa".

Procon-SP multa Sky em R$ 2,9 milhões por publicidade enganosa

De acordo com o órgão de defesa do consumidor, a operadora também efetuou cobranças de taxas de licenciamento do software, segurança de acesso e de locação de ponto adicional que são ações proíbidas pela Anatel.

Brasil terá um ganho de R$ 40 bilhões por uso de faixas milimétricas no 5G

Segundo projeções da GSMA, uso de faixas acima de 24 GHz será crescente até 2034 para manipulação remota, automação industrial e realidade virtual. Entidade recomenda, além dos 26 GHz, que o Brasil use 40 GHz e 66 a 71 GHz.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G