Convergência Digital - Home

Intel embute Inteligência Artificial em chip para datacenters

Convergência Digital
Convergência Digital* - 20/08/2019

A Intel lançou nesta terça-feira, 20/08, seu mais recente processador, que será o primeiro a usar inteligência artificial e é projetado para grandes centros de computação.

O chip, desenvolvido em Haifa, Israel, é conhecido como Nervana NNP-I ou Springhill e é baseado em um processador Ice Lake de 10 nanômetros que permitirá lidar com altas cargas de trabalho usando quantidades mínimas de energia, disse a Intel.

A Intel informou que o seu primeiro produto de inteligência artificial vem depois de ter investido mais de 120 milhões de dólares em três startups de IA em Israel.

“Para chegar a uma situação futura de ter ‘IA em todos os lugares’, temos que lidar com enormes quantidades de dados gerados e garantir que as organizações estejam equipadas com o que precisam para usar os dados e processá-los onde forem coletados”, disse Naveen Rao, gerente geral do grupo de produtos de inteligência artificial da Intel.

Ele disse que o novo chip ajudará os processadores Xeon da Intel em grandes empresas, à medida que a necessidade de complicados cálculos no campo da IA aumenta.

*Com Agência Reuters


Destaques
Destaques

Governo negocia para transformar Foz do Iguaçu em zona franca para datacenters

O secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Elisio de Menezes, conta que negocia a incorporação dos datacenters em uma classe especial para consumo de energia, ativo que mais encarece as operações no Brasil.

Disseminação de serviços em nuvem puxa investimentos globais em TI

Segundo projeções da consultoria Gartner, gastos devem bater em R$ 15 trilhões neste ano e crescer 3,7% em 2020, puxados por cloud computing. 



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Você já pensou no impacto que os seus dados geram no planeta?

Por Gustavo Loiola*

Hoje, são milhares de data centers espalhados pelo Planeta. É engraçado pensar nisso quando hoje falamos da tal da “nuvem" que armazena os nossos dados. Tiramos uma foto? Vai para a nuvem. Postamos no Instagram? Vai para a nuvem. Netflix, Spotify, Deezer? O streaming também está na nuvem.

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site