TELECOM

Regularizar uso de postes pelas teles custaria R$ 20 bilhões

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/09/2019 ... Convergência Digital

A Anatel terá, até o fim deste setembro, uma proposta para o novo regulamento de uso dos postes, costurado com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) em mais uma tentativa de resolver a ocupação emergencial de 11 milhões deles instalados nas grandes cidades brasileiras. Nas contas da agência, corrigir essa parcela, cerca de um quarto dos 45 milhões de postes do país, custa R$ 20 bilhões. 

“Apresento uma proposta ao Conselho Diretor da agência até o fim de setembro e ela deverá ir à consulta pública ainda em 2019. Temos uma estimativa de que o custo para organizar a ocupação de todos os postes no país seria algo na ordem de R$ 20 bilhões. É mais de 50% do que todo o setor de telecom investe por ano”, afirmou o superintendente de competição da agência, Abraão Balbino e Silva, em audiência conjunta das comissões de Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Urbano e de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.  

A agência divide o problema em duas partes. Nos grandes centros, o problema é acesso: tem muito mais operadoras querendo usar os postes do que espaço disponível. Na maioria dos municípios, no entanto, a concorrência é menor e abre espaço para preços nada isonômicos para uso dos postes – em geral, pequenos provedores pagam mais do que grandes operadoras pelo menos espaço. 

A leitura da Aneel, no entanto, é de que a encrenca é concentrada no uso clandestino dos postes das distribuidoras de energia. “O problema é a ocupação por empresas de telecomunicações sem aprovação prévia das distribuidoras de energia e sem atendimento de normas técnicas. Isso resulta em outro problema, que é a falta de pagamento. É uma ocupação clandestina. O faturamento atual de todas as distribuidoras com o uso dos postes é R$ 1,57 bilhão por ano. Mas poderia ser um valor bem superior”, diz o superintendente de regulação de distribuição da Aneel, Carlos Mattar. 

De sua parte, as distribuidoras defendem racionalizar o uso com a adoção de um modelo de operador de infraestrutura – um agente com acesso aos pontos de fixação nos postes, que então os revenderia às prestadoras de telecom, conforme apresentado pelo diretor da Associação Brasileira das Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee), Marco Delgado. 

“É um bem público escasso. Quem acessa poderia ser um provedor físico. Hoje há tecnologia de transmissão de voz e dados de maneira segura e independente entre diversos provedores. Talvez a gente consiga fazer esse acesso ao provedor que pagar o melhor preço e também que ofereça o menor preço para os prestadores de serviços de telecomunicações. Talvez a gente consiga conciliar essa regularização ao priorizar a reorganização da ocupação. É possível fazer com processo de licitação, pelas próprias distribuidoras ou outros agentes.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

Superior Tribunal de Justiça entendeu que se aplica o artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a Corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.

Juiz manda CVM investigar compra e venda de ações da Oi

O juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, afirma na ordem encaminhada à Autarquia Federal que é 'preciso que se tentha conhecimento de toda e qualquer forma de capitação especulativa".

Procon-SP multa Sky em R$ 2,9 milhões por publicidade enganosa

De acordo com o órgão de defesa do consumidor, a operadora também efetuou cobranças de taxas de licenciamento do software, segurança de acesso e de locação de ponto adicional que são ações proíbidas pela Anatel.

Brasil terá um ganho de R$ 40 bilhões por uso de faixas milimétricas no 5G

Segundo projeções da GSMA, uso de faixas acima de 24 GHz será crescente até 2034 para manipulação remota, automação industrial e realidade virtual. Entidade recomenda, além dos 26 GHz, que o Brasil use 40 GHz e 66 a 71 GHz.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G