Convergência Digital - Home

AWS: Uso da nuvem no governo permite redução de até 30% nos custos

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 18/09/2019

Fornecedora da primeira nuvem pública do governo federal, a AWS está nesta semana em Brasília para promover o uso da tecnologia pelo setor público. Além de casos de sucesso e oficinas de migração para nuvem e de aprendizado sobre as ferramentas, a maior empresa mundial do setor entoa o cântico preferido dos gestores: redução de custos. 

“Essa nossa primeira iniciativa em Brasília do AWS Initiate Day é um dia de troca de experiências em implementação e impacto no setor público do uso de tecnologias de sistemas escaláveis e globais. Transformamos TI em algo de consumo e não de investimento, com uma proposta de pagamento pelo uso. Se comparar um sistema tradicional ‘on premises’ com sistema em nuvem, somos pelo menos 30% mais em conta, sem falar nos demais ganhos”, afirma Paulo Cunha, chefe da AWS para setor público na América Latina.

A AWS aterrissou no Brasil em 2012, com datacenter próprio e já naquele ano começou a se aproximar do setor público, passando a fornecer serviços de nuvem para o Operador Nacional do Sistema elétrico (ONS), em si um ente privado mas criado para prestação de um serviço público. Desde então a empresa avança nos níveis federal, estadual e municipal, sendo fornecedora do INPE e do TCU, da Fundação Seade e da Etice, além da Betha, que atua em ferramentas de gestão para prefeituras. 

O mais recente é o contrato com o Ministério da Economia para começar a implantação do que pretende-se a primeira nuvem pública a reunir diversos órgãos da administração federal. “A busca de utilização de computação em nuvem pelo governo federal vai de encontro a alguns aspectos que visam a transformação digital de maneira geral. Primeiro no aspecto econômico, segundo no aumento da segurança e dos padrões que as nuvens internacionais conseguem prover, e o terceiro pela agilidade de atender a demanda de um cidadão conectado”, diz Paulo Cunha.

“As consequências são enormes. Existe uma sequencia grande de atividades que estão sendo gerenciadas neste sentido e que se inicia pela digitalização dos principais processos do governo federal, com uma meta de mais de 1 mil serviços nos próximos anos. E a consequência é que aplicações novas e novos serviços acabarão existindo de forma pratica e singular.”


Destaques
Destaques

Governo negocia para transformar Foz do Iguaçu em zona franca para datacenters

O secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Elisio de Menezes, conta que negocia a incorporação dos datacenters em uma classe especial para consumo de energia, ativo que mais encarece as operações no Brasil.

Disseminação de serviços em nuvem puxa investimentos globais em TI

Segundo projeções da consultoria Gartner, gastos devem bater em R$ 15 trilhões neste ano e crescer 3,7% em 2020, puxados por cloud computing. 



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site