Home - Convergência Digital

Com OpenRAN, Intel quer abocanhar mercado 5G de Ericsson, Huawei e Nokia

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 07/10/2019

A Vodafone anunciou planos de trazer para a Europa a tecnologia OpenRAN, compatível com serviços 2G, 3G e 4G, e sendo preparada para o 5G, depois dos testes feitos na Turquia e na África do Sul. A tecnologia seria usada em áreas rurais do Reino Unido, reportou o CEO da companhia, Nick Read. A OpenRAN é fruto do trabalho do Telecom Infra Project (TIP), desenvolvido pelo Facebook para melhorar a eficiência da RAN, com uma abordagem centrada no software usando hardware commoditizado.

A proposta é aumentar a interoperabilidade entre equipamentos de vários fornecedores, uma abordagem considerada mais econômica em termos de fornecimento de conectividade rural do que as abordagens tradicionais. Aqui quem desponta como grande beneficiária é a norte-americana Intel, principal patrocinadora da iniciativa, por meio de fornecimento de tecnologia aos pequenos provedores que despontam com o trabalho do TIP. A proposta é reduzir a dependência dos fornecedores tradicionais - Ericsson, Huawei e Nokia. A Vodafone já teria alocado orçamento e selecionado 100 locais para fazer um teste no Reino Unido.

“O fornecimento global de equipamentos de rede de telecomunicações se concentrou em poucas empresas nos últimos anos. Mais opções de fornecedores protegerão a entrega de serviços a todos os clientes móveis; vão aumentar a flexibilidade e a inovação e, crucialmente, vão ajudar a enfrentar alguns dos desafios de custos que estão impedindo a entrega de serviços de Internet para comunidades rurais e locais remotos em todo o mundo", reforçou o CEO da Vodafone.

A Vodafone acrescentou que a medida melhorará a “resiliência da cadeia de suprimentos”, introduzindo “uma onda de novos fornecedores de tecnologia 2G, 3G, 4G e 5G, além dos líderes de mercado existentes”. Esses novos fornecedores incluem a Mavenir, sediada nos EUA, e a Parallel Wireless. Hoje os fornecedores de rede 4G e 5G da Vodafone são Ericsson e Huawei.

No Brasil, a TIM Brasil é uma parceira da iniciativa TIP e, inclusive, anunciou resultados de uma licitação para uso da tecnologia, no Mobile World Congress deste ano, em Barcelona. Já o CPqD se tornou, em 2018, um Community Lab - espaço físico onde tecnologias e soluções inovadoras, desenvolvidas dentro dos projetos, podem ser testadas e avaliadas.

*Com tradução do Mobile World Live

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/02/2020
Consulta sobre edital do 5G começa a receber sugestões

12/02/2020
Huawei diz que está pronta para continuar parceria com as teles no 5G

12/02/2020
Leilão 5G: TIM diz que comprar banda para revender não pode estar na regra do jogo

11/02/2020
Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

07/02/2020
Fechar a porta à Huawei no 5G vai custar US$ 21,9 bilhões ao PIB dos EUA até 2035

07/02/2020
Governo dos EUA sugere comprar controle de Ericsson e Nokia para bater a Huawei

07/02/2020
Coronavírus faz Ericsson desistir do Mobile World Congress. GSMA garante o evento

06/02/2020
Presidente da Anatel arrisca leilão do 5G acontecendo em novembro

06/02/2020
5G: Edital vai à consulta com 400 MHz em 3,5 GHz e bloco exclusivo para os pequenos

06/02/2020
5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Destaques
Destaques

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

5G: Diretrizes genéricas deixam espaço para acordo entre teles e TVs

Portaria do MCTIC não detalha qual a solução para interferências, indicando somente “medidas de melhor eficiência técnica e econômica”. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site