Oi vai vender 10 datacenters e 8 mil imóveis para gerar caixa

Ana Paula Lobo, Luís Osvaldo Grossmann e Fabio dos Santos ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Focada na expansão da rede de fibra óptica residencial para mais do que compensar a receita perdida com a rede de cobre e alavancar novos negócios digitais, a Oi voltou a alinhar a venda de ativos, uso de créditos fiscais e possíveis empréstimos para alavancar até R$ 15 bilhões para garantir os investimentos. 

Ao apresentar nesta quarta, 30/10, durante o Futurecom, como a empresa chegou até aqui e os planos para o futuro, o diretor de Operações, Rodrigo Abreu, apontou para números que, segundo ele, sustentam as pretensões de curto e médio prazo. 

“Do ponto de vista de financiamento dos investimentos, que é a principal dúvida em relação às nossas notícias, existe um plano sólido que está sendo executado e tem três grandes elementos: a venda de ativos não estratégicos, o uso de créditos fiscais já ganhos e a emissão de dívida garantida.”

De acordo com Abreu, essa dívida garantida – empréstimos calcados em ativos ou expectativas de receitas – “pode trazer para a companhia de R$ 2,5 bilhões a R$ 4,5 bilhões, perfazendo um total de R$ 12 bilhões a R$ 15 bilhões em um horizonte de tempo relativamente curto. Isso vai servir para suportar todas as nossas iniciativas de negócios.”

Os créditos fiscais, fruto de vitórias judiciais sobre PIS e Cofins, somam R$ 3,1 bilhões e já estão sendo utilizados no abatimento de impostos federais. E as vendas já começaram. A Oi espera vender os 25% que detém da operadora Unitel, de Angola, até o fim deste 2019 – negócio que pode render cerca de R$ 4 bilhões. 

“Depois tem uma série de ativos que eu separaria em dois grupos. Um grupo de ativos não estratégicos mais tradicionais, como torres, datacenters e fibras; e um segundo grupo de ativos imobiliários. São entre 500 e 1 mil torres, ainda não definimos o número de datacenters, mas tem mais de uma dezena. E depois tem fibras apagadas em áreas não estratégicas ou duplicadas, até por conta de aquisições”, listou o executivo. 

“No grupo imobiliário, estamos falando de 8 mil imóveis. Entre eles tem uma centena de imóveis de alto valor, por onde está começando o foco da venda. Temos vários processos de ativos grandes em andamento, em prédios onde não tem nenhuma ocupação de concessão, com anuência da Anatel à medida que esses processos acontecem, com jurisprudência que começou com a Sercomtel e vem sendo aplicada para outras operadoras. Esse é um grupo de ativos com o qual a gente espera conseguir entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões.”

Atacado

Ainda segundo Abreu, em que pesem as dificuldades que culminaram no processo de recuperação judicial, o futuro é favorável. “Estamos otimistas com o novo mundo que privilegia fibra, espectro, dados e serviços. A fibra vai ser massificada, assim como os serviços possibilitados por ela. No caso da Oi, uma possibilidade de 32 milhões de casas passadas nas regiões I e II [do PGO] em um estimativa conservadora, 16 milhões até 2021.”

Um dos pilares dessa estratégia é fortalecer a posição da empresa no mercado atacadista. “Podemos dobrar nosso negócio de atacado com banda larga e 5G. A Oi tem vocação para ser uma empresa de atacado, e vamos investir nisso com conexões para IPSs, com outras operadoras para levar fibra até as antenas, equipar nossa rede e de outros operadores para 5G, compartilhamento de dutos. Nossa expectativa é pelo menos dobrar a receita de atacado e chegar acima de R$ 3 bilhões entre 2023/2024.” Veja a participação de Rodrigo Abreu em entrevista no Futurecom 2019.


Internet Móvel 3G 4G
Para TIM, migração para banda Ku vai atrasar ainda mais 5G

Presidente da operadora, Pietro Labriola, diz que opção pelos filtros nas parabólicas é saída mais pragmática. “Não podemos leiloar uma frequência que ficará ociosa”, afirma.

SindiTelebrasil muda marca para Conexis. Rodrigo Abreu, da Oi, assume comando

Abreu substitui o presidente da Algar Telecom, Luiz Alexandre Garcia, que ficou à frente da entidade nos últimos cinco anos. Prioridades de Abreu são o leilão 5G e fazer valer a Lei das Antenas no dia a dia real das teles.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G