TELECOM

NEC: 5G já começou e o Brasil não deve ficar de fora

Luís Osvaldo Grossmann e Fabio dos Santos ... 04/11/2019 ... Convergência Digital

O 5G já começou em alguns lugares do mundo, e é inevitável o Brasil aproveitar as experiências que já trazem mudanças em negócios e serviços. E o quanto antes melhor, conforme destaca a diretora geral da NEC em Soluções para Provedores de Serviços, Mayuko Tatewaki.

“Há coisas muito interessantes já acontecendo. No Japão, as operadoras estão buscando novas formas de parcerias. Por exemplo, a NTTDocomo tem uma plataforma, um laboratório, e convidam outros players, como empresas de construção ou empresas de seguro, para virem ‘brincar’ com a tecnologia e assim desenvolverem novos serviços”, apontou a executiva, que participou do Futurecom 2019, realizado de 28 a 31 de outubro, em São Paulo.

Ou, ainda, acordos com foco em soluções viabilizadas pelo 5G, caso dos carros sem motorista. “Outras empresas, como o grupo Softbank, estão criando joint-ventures com diferentes indústrias, como a Toyota, para fazer serviços de 5G para carros conectados. Portanto, vemos diferentes formas de parcerias acontecendo, com diferentes companhias”, emendou. 

Segundo ela, há uma mudança importante na nova geração tecnológica que é a própria forma de fazer negócios. “As operadoras estão buscando novas fontes de receitas, mais do que simplesmente adotando mais uma geração tecnológica. E uma receita muito ligada a serviços diferentes. E vemos que no Brasil também existem muitas relações possíveis com diferentes verticais, seja no setor financeiro, seja no varejo. A ideia é conectar os provedores de serviços às diferentes verticais e às demandas de aplicações específicas de cada um.”

Isso exige, porém, um ajuste no próprio mercado. “A mudança mais importante é de mindset, é cultural. No passado, provedores de serviços tentavam se proteger sendo muito verticalizados e integrados. Mas agora eles precisam ser mais abertos, mais conectados, entre si e entre diferentes indústrias ou mesmo com o governo. Temos experiência com isso no Japão.” Assista à entrevista com a diretora geral da NEC em Soluções para Provedores de Serviços, Mayuko Tatewaki.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G