Home - Convergência Digital

Satélites vão ter papel central no ecossistema do 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 11/11/2019

Pesquisas do Instituto Nacional de Telecomunicações indicam que mesmo num cenário de latências muito baixas, haverá espaço para soluções via satélite no ecossistema do 5G. Ao participar do Workshop 5G no Brasil, o professor do Inatel e coordenador do projeto 5G Brasil, Luciano Mendes, ressaltou que o uso de soluções satelitais até como backhaul está no horizonte próximo. 

“Satélite é sempre uma opção interessante onde a infraestrutura terrestre não está disponível ou é limitada. A questão da latência é sempre uma barreira porque o sinal tem que subir até o satélite e descer. E como o percurso é longo, produz uma latência de aproximadamente meio segundo. Mas isso pode ser contornado ao trazer parte do núcleo da rede 5G para rodar dentro da EPC, dentro da ‘NodeB’, lá onde o usuário está localizado. Aí não precisa mandar a informação pelo satélite”, explicou Mendes. 

“Imagine ter um conjunto de radiobases e se locomovendo por elas. Se para mudar de uma sessão para outra tem que mandar essa informação toda vez, vai esbarrar novamente na questão da latência. Então tem que consumir essa informação rapidamente, próximo ao usuário. A melhor forma de fazer isso é que essa aplicação migre de estação radiobase a estação radiobase à medida que o usuário se desloca. Esse é o grande desafio na alocação de serviços da rede em ERBs com mobilidade.”

Apesar do desafio, a definição de modelos e padrões já acontece e será possível contar com esse tipo de tecnologia logo. “Hoje o 3GPP está trabalhando forte nessa questão. O próximo release, 16, vai endereçar questões que vão levar ao IoT massivo e a redução da latência. Então é possível que em um cenário de três a quatro anos já tenhamos esse serviço disponível à população.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/09/2020
Economia prefere, mas não garante, leilão 5G não arrecadatório

22/09/2020
Para TIM, 5G não comporta neutralidade de rede

22/09/2020
Anatel: Crise afetou condições e preço do edital do 5G

22/09/2020
Vitor Menezes, Minicom: Vamos brigar por um leilão 5G não arrecadatório

21/09/2020
Comissão Europeia pede ações urgentes para ter 5G o quanto antes

17/09/2020
Telcomp vai ao STF contra leis que impedem antenas a 50 metros de residências em São Paulo

16/09/2020
Vale vai investir em laboratório 5G

15/09/2020
5G vai atrasar se teles tiverem que pagar limpeza da Banda C

10/09/2020
Minicom: Governo Bolsonaro não vai intervir na venda dos ativos da Oi

10/09/2020
5G avança sobre espectro não licenciado

Destaques
Destaques

Claro: Sem antenas, São Paulo fica fora do 5G

CEO da Claro, Paulo Cesar Teixeira, criticou a miopia de executivos que ainda insistem em colocar restrições à implantação de antenas, como acontece na cidade de São Paulo. "5G é a grande plataforma para permitir um salto econômico mais vigoroso", advertiu.

Covid-19 não é desculpa e Brasil perde dinheiro e status ao atrasar o 5G

O mundo não vai esperar o Brasil resolver seus problemas e o 5G está acontecendo, advertiu o consultor sênior da Omdia, Ari Lopes. Governo terá de decidir se busca investimentos de longo prazo ou de curto prazo. Omdia prevê um impacto de US$ 1,1 trilhão no Brasil de 2021 a 2025.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet 5G traz disrupção para Telecomunicações até no modelo de negócio

Por Eduardo Grizendi*

Na RNP, estabelecemos um objetivo estratégico ambicioso – o de prover uma ciberinfraestrutura, segura, de alto desempenho e disponibilidade e, ao mesmo tempo, ubíqua, onipresente, em qualquer lugar e a qualquer hora, para nossas comunidades de educação, pesquisa e inovação.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site