SEGURANÇA

GSI: Segurança cibernética é um assunto 'seriíssimo' e exige ações imediatas

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/11/2019 ... Convergência Digital

O avanço das tecnologias de comunicação e da conectividade ubíqua incentivou o governo federal a adotar um processo de digitalização de serviços para oferta via internet e o uso e compartilhamento de dados como ferramentas de políticas públicas. Mas como repetidamente ressaltado durante o 7º seminário Cyber Security – Gestão de Risco no Governo, promovido nesta quarta, 27/11, pela Network Eventos em Brasília, a custódia e uso de dados pelo governo exigem garantias cada vez maiores de segurança da informação. 

“No Brasil, todos os órgãos públicos, federais e estaduais, utilizam a internet. Praticamente todas as empresas privadas usam e a internet está disponível em 75% dos domicílios. No entanto, somos o 70º lugar no ranking global de segurança cibernética, o que indica baixa maturidade. Exige educação para segurança, sensibilidade para o problema e um instrumento legal de âmbito nacional”, defendeu o diretor do departamento de Segurança da Informação do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Antonio Carlos Freitas.

Ele explicou que neste momento o governo trabalha na estratégia de segurança da informação e especialmente em instrumentos dela derivados, a começar por um plano nacional de tratamento e resposta a incidentes. “É um assunto seriíssimo. As empresas e os órgãos públicos precisam não só se preocupar com ele, mas planejar e executar medidas voltadas para a segurança cibernética”, completou.

Como apontou o assessor do Centro de Tratamento e Resposta a Incidentes Cibernéticos de Governo, Democlydes Carvalho, a primeira realidade que se impõe é a ausência de fronteiras na internet. “É utopia imaginar fronteiras dentro de uma grande rede como é a internet. Nações procuram isso, mas temos uma infraestrutura que gera grande conectividade entre todos, sem controle centralizado. Hoje mais de 90 mil sistemas autônomos, só no Brasil são quase 7 mil. Nesse contexto, ataques são cada vez mais potentes e fáceis de serem realizados.”

Ou ainda, como lembrou o superintendente de segurança da informação do Serpro, João Vieira Almeida Junior, um novo contexto de facilidades tecnológicas. “Tanto para Estado como para a sociedade. Analytics, Big Data, novidades que estão em mãos de pessoas que farão bom uso, mas também  em mãos de quem fará mau uso dessa tecnologias.”

Tal consciência pesa sobre o trabalho de transformação digital do Poder Público. “Envolve digitalização de serviços, interoperabilidade, compartilhamento de dados, unificação de canais digitais. E naturalmente tudo tem que ser feito com preocupação muito grande em relação à segurança cibernética”, emendou o coordenador geral de segurança da informação da Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, Anderson Sousa. 

Segundo ele, a realidade impõe o compartilhamento de riscos entre todos os envolvidos. “A gente acredita em modelo de risco compartilhado, onde o risco é compartilhado entre o gestor ofertando a solução, entre o fornecedor que operacionaliza aquela solução, e também entre os usuários.”


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Porto de Fortaleza fica refém de ataque hacker

Ataque ransomware pegou sistemas administrativos internos, servidores de email e neste momento muitos controles estão sendo feitos a mão. Invasão foi identificada na segunda-feira, 28 de outubro, segundo informa o site CISO Advisor.

Embratel: Sem segurança, a transformação digital corre risco de fracassar

Yanis Stoyannis, gerente de Consultoria e Inovação em Segurança Cibernética da Embratel, defende a definição de um padrão global de indústria para os dispositivos de Internet das Coisas. "Tudo tem de ser feito para evitar falhas e ataques", observa.

Brasil possui quase 56 mil URLs maliciosas

Mais de 1 milhão de brasileiros foram impactados, de acordo com o relatório Fast Facts, da Trend Micro. País ocupa a 15ª posição no ranking dos países mais atingidos por URLs maliciosas.

Mais de 60% das empresas sofrem incidentes de segurança semanais

Pesquisa realizada no Brasil, EUA e Alemanha também aponta que há perdas financeiras em 50% dos casos. 



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G