GOVERNO » Legislação

Legislativo e Judiciário garantem LGPD, enquanto governo empurra com a barriga

Luís Osvaldo Grossmann ... 20/05/2020 ... Convergência Digital

Mais do que uma vitória Legislativa para a proteção de dados no Brasil, a votação do Senado Federal pela vigência da LGPD em agosto deste 2020 é um recado político claro: enquanto o governo federal se contorce para postergar a validade da Lei Geral de Proteção de Dados, as instituições ecoam apelos da sociedade e do mercado digital pela necessidade urgente da Lei. 

“Foi uma votação estratégica. O grande ponto que precisamos considerar não é propriamente um cálculo normativo de qual o prazo vem antes, qual vem depois, se é da MP 959, se é do PL 1.179/20. Não é uma disputa normativa comum, mas um movimento no qual o governo federal quer ostensivamente que a LGPD não entre em vigor. À despeito de discussões sobre a MP caducar, o que interessa é a leitura política. A sociedade, as instituições, o Legislativo e o próprio Judiciário já se posicionam que a solução para um sistema minimamente moderno de proteção de dados no Brasil é que a Lei entre em vigor em agosto, que é o que vai acontecer”, destaca o advogado e professor Danilo Doneda. 

O especialista reforça um ponto que chegou a ser colocado durante a votação no Senado do destaque que acabou consolidando a vigência da LGPD para agosto deste ano: o risco de um adiamento para 2021 abrir caminho para novos adiamentos por meio de Medida Provisória. 

“Qualquer adiamento que permitisse o prazo da vigência ir para 2021 faria com que o governo federal pudesse, o ano que vem, na próxima Legislatura, editar uma nova Medida Provisória, postergando novamente a entrada em vigor da LGPD, empurrando com a barriga mais uma vez. Já verificamos, reiteradamente, que o governo federal não tem qualquer comprometimento com a entrada em vigor da Lei. Pelo contrário, está fazendo todo o possível e o impossível para que a vontade clara do legislador, da sociedade, não seja colocada em operação.”

A evidência mais concreta da falta de interesse do Poder Executivo em avançar nesse tema é a inexistência da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, o braço operacional da LGPD, a quem cabe regulamentar, acompanhar e fiscalizar a implementação. 

“Além de usar MP para adiar, o governo não coloca de pé a ANPD e o Conselho, que são garantias para que a sociedade e o mercado tenha segurança na implementação da LGPD. O governo está tão atrasado que não se tem a menor ideia do projeto para a Autoridade Nacional. E nem se fala em relação aos nomes, mas de estrutura mesmo. Não tem nada”, diz Doneda. 

Daí a importância do posicionamento adotado pelo Legislativo e pelo Judiciário. “O processo só vai para frente se for capitaneado e cobrado pelos outros Poderes. E o Legislativo deixou claro que a LGPD precisa entrar em vigor agora. Até porque se isso não acontecer já neste ano, vai ficando cada vez mais complexa a situação. Tem várias iniciativas de uso de dados, para fins estatísticos, para telemedicina, para responsabilidade na internet. Tudo isso precisa ser acoplada ao sistema de proteção de dados. Senão cada nova lei vai tratar do assunto de um jeito. E o custo que as empresas já sentem vai ficar ainda mais acentuado se a LGPD não entrar em vigor. Porque essa questão já é realidade. O STF deixou claro, por 10 a 1, que a Constituição protege os dados pessoais. E o Senado deixou claro por 62 a 15 que a LGPD tem que entrar em vigor em agosto.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PL quer adiar venda do Serpro, Dataprev, Telebras e outras estatais

Proposta, que está em análise na Câmara dos Deputados, ressalta que o 'períodos de crise são um excelente momento para quem compra e péssimo para quem vende'. Privatizações estão agendadas para junho de 2021. Ideia é adiar as vendas para 12 meses após o fim da pandemia de Covid-19.

STF derruba MP que mandava teles repassarem dados de clientes ao IBGE

Prevaleceu o entendimento da relatora, Rosa Weber, de que a ordem de recolher nome, endereço e telefone de todos os clientes de telefonia fixa e móvel configura medida excessiva, sem finalidade delimitada ou garantias suficientes. 

Governo lança guia de melhores práticas de adequação à LGPD

Manual ressalta que o compartilhamento de informações na administração é possível, mas precisa respeitar os princípios da Lei Geral de Proteção de Dados. 

Toffoli pede vista e adia julgamento sobre bitributação do software no STF

Suspensão do julgamento agrada o setor de tecnologia da informação, que defende uma análise conjunta das diferentes ações sobre o mesmo tema, uma vez que a primeira delas já tem mais de 20 anos. 

“Sem clima”, governo adia privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

Secretário de desestatização, José Salim Mattar, por conta do coronavírus, empurrou toda a agenda de venda de ativos. Por enquanto, estatais de TI ficaram para o fim de 2021. A Telebras foi para 2022. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G