INOVAÇÃO

TCU manda INPI divulgar fila de pedidos de patentes

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/05/2020 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União determinou ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) que passe a divulgar a fila de pedidos de patentes que aguardam deliberação em qualquer instância da Divisão da Diretoria de Patentes, Programas de Computador e Topografias de Circuitos Integrados. 

Em investigação que envolveu trâmites da Anvisa para liberação de medicamentos

Como informou o TCU, o objetivo da auditoria foi “analisar o processo de registro de patentes feito pelo INPI, especialmente no que se refere ao elevado estoque de pedidos em espera e ao prazo superior a dez anos para concessão, bem acima da média mundial”. Alega a Corte de Contas que o tempo médio de espera para o primeiro exame técnico dos pedidos de patente é de 80 meses, 6 anos e meio. Comparativamente, o prazo médio é de 15 meses nos EUA e China, 10 meses na Coreia, 9 meses no Japão e 4 meses na Europa. 

“Verifica-se tempo de processamento muito maior no Brasil que nos maiores escritórios de patentes do mundo. Na comparação entre os tempos decorridos até o primeiro exame técnico, por exemplo, o Brasil encontra-se com duração maior que cinco vezes à da China e à dos EUA, que são os escritórios dentre os cinco com maior demora”, anotou o TCU.

Entre as conclusões, o fato de que a própria demora em analisar os pedidos acaba garantindo direito de propriedade para além do previsto. É que embora a legislação fixe o prazo máximo em 20 anos a partir do pedido, também prevê que a vigência não pode ser inferior a 10 anos a partir da data da concessão. “Se um pedido de registro tiver o seu trâmite no INPI superior a dez anos, o prazo de vigência da patente concedida será necessariamente maior do que os 20 anos iniciais previstos.”

Levada ao pleno do TCU, a auditoria resultou no Acórdão 1199/20. Para evitar esse prazo alongado pela demora, recomendou a Corte de Contas que a Casa Civil avalie a revogação daquela previsão de prazo mínimo após a concessão da patente. E fez determinações ao INPI para garantir maior transparência na tramitação. 

“O trabalho identificou que o INPI não divulga a fila de pedidos de patente, medida de transparência importante para os requerentes e os interessados em geral. Além disso, o atual critério para contagem dessa fila desconsidera os pedidos em situação de recurso e não há definição de hipóteses de impedimentos e suspeições por parte do analista responsável pelo exame da patenteabilidade.”

Nesse sentido, determinou o TCU ao INPI: 

“[Q]ue, em até 180 dias, passe a publicar, em seu portal eletrônico disponível na internet, as filas de pedidos de patentes pendentes de decisão final administrativa de cada Divisão da Diretoria de Patentes, Programas de Computador e Topografias de Circuitos Integrados a que se refere - a área tecnológica do pedido, em caso de estar em análise de segunda instância -, com as informações de cada pedido, o estado em que se encontra e a existência ou não de prioridade de exame, com vistas a atender à obrigação de tornar públicas essas informações à sociedade, conforme dispõem o caput do art. 37 da Constituição Federal e o caput do art. 2º da Lei 9.784/99;

“que, em até 180 dias, passe a publicar, em separado, as informações de estoque e de tempo médio de tramitação dos pedidos de patente em fase de segunda instância administrativa, tratada na Coordenação-Geral de Recursos e Processos Administrativos de Nulidade.”


Cloud Computing
Deutsche Bank escolhe Google Cloud para avançar na nuvem

Instituição financeira planeja criar novos serviços financeiros com o apoio da cloud computing. Valor do contrato entre as partes não foi revelado. Google Cloud venceu a disputa com outros fornecedores, depois de cinco meses de due dilligence.


Indústria de semicondutores reage à liquidação da Ceitec

Em nota, associação nacional do setor indica “preocupação” com a medida. “Liquidação distanciará ainda mais o Brasil do conhecimento de ponta.”

OBr.Global promove bootcamps Live sobre empreendedorismo

Aceleradora, especializada em internacionalização das empresas, ensinará técnicas adotadas no Vale do Silício, nos EUA.

Política de informática foi feita para o hardware, mas deu certo com o software

Para Sílvio Meira, a estratégia que o Brasil quer desenhar para Inteligência Artificial precisa desafiar à produção nacional para trazer os resultados pretendidos.

Open Banking faz XP ir às compras no Brasil

XP anunciou a aquisição de participação majoritária na fintech Fliper, responsável, hoje, por mapear R$ 7 bilhões lem investimentos na sua plataforma.

Software livre venceu e desapareceu. Agora tudo é serviço.

Como lembrou o cientista e professor Sílvio Meira, ao participar do Convergência Digital em Pauta, até o Windows passou a rodar sobre fundação Linux.  O mundo, hoje, é de quem tem o serviço como diferencial de concorrência.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G