INTERNET

PGR diz que Bolsonaro deve bloquear quem quiser em redes sociais

Convergência Digital* ... 14/09/2020 ... Convergência Digital

O Procurador Geral da República, Augusto Aras, se manifestou no Supremo Tribunal Federal no sentido de que os perfis em redes sociais do presidente Jair Bolsonaro são pessoais, não oficiais, e não estão submetidos a determinações constitucionais como o princípio da publicidade. Para Aras, Bolsonaro pode bloquear quem quiser nas redes sociais se não gostar das críticas. 

A manifestação, protocolada na sexta, 11/9, se deu em um Mandado de Segurança (MS 37.132), movido por um advogado que foi bloqueado do acesso à conta privada de Bolsonaro no Instagram. O bloqueio se deu em maio deste 2020, após o advogado postar cópia de mensagens trocadas entre o então ministro da Justiça Sérgio Moro e a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), relativos à acusação de Moro sobre a intervenção de Bolsonaro para a troca de comando na Polícia Federal em benefício pessoal. 

A ação sustenta que, “tem direito pessoal, na qualidade de cidadão, de influir, por meio da livre manifestação do seu pensamento, de forma respeitosa e democrática, nas redes sociais, inclusive na página oficial do Presidente da República”. E tenta reproduzir no Brasil a decisão da Suprema Corte dos EUA que impediu Donald Trump de bloquear críticos em suas contas em redes sociais. 

Para Augusto Aras, o Brasil não deve copiar os EUA nesse assunto. “Apesar de a conta pessoal do Presidente da República ser utilizada para informar os demais usuários da rede social acerca da implementação de determinadas políticas públicas ou da prática de atos administrativos relevantes, as publicações no Instagram não têm caráter oficial e não constituem direitos ou obrigações da Administração Pública”, sustentou o PGR junto ao STF. 

O Procurador Geral da República também argumenta que permitir o bloqueio de críticos evita a polarização política. “Essa possibilidade de bloqueio contribui inclusive para apaziguar ânimos mais acirrados, evitando a propagação de comentários desqualificadores e de discurso de ódio e a nociva polarização que atenta contra a democracia, especialmente nos ambientes político e religioso.”

E conclui sugerindo que, ao contrário de Donald Trump, que usa o twitter para nomeação de cargos, Bolsonaro apenas informa sobre essas nomeações. “Apesar de divulgar em suas redes sociais uma série de atos relacionados ao seu governo e às suas realizações políticas, essas publicações têm caráter nitidamente informativo, despido de quaisquer efeitos oficiais, o que realça o caráter privado da conta.”

* Com informações do Portal Migalhas


Revista Abranet 31 . maio-julho 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
A pandemia da Covid-19 fez a rotina mudar num piscar de olhos. E coube à internet mostrar a sua força. O aumento significativo do tráfego de dados por conta do teletrabalho e do isolamento social foi uma realidade assustadora. Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

80% das vendas corporativas serão digitais até 2025

Nos próximos cinco anos, um aumento exponencial nas interações digitais entre compradores e fornecedores quebrará os modelos de vendas tradicionais. Quase 40% dos compradores preferem experiência sem vendedor.

Em parceria com CGI.br, USP cria cátedra de Internet

O acordo de 5 anos também prevê seminários, debates, publicações. CGI.br destinará R$ 2,5 milhões para bolsas de estudo e atividades. 

Oracle derrota Microsoft na disputa pela chinesa TikTok

Segundo informações do Wall Street Journal, operações do TikTok nos EUA, suspensas após China reagir com mudanças nas regras de controle, vão se transformar em "parceria tecnológica de confiança". 

PF prende homem que aplicou 1,3 mil entregas falsas pela internet

Dono de loja de informática no Paraná vendia em plataforma de comércio eletrônico e enviava caixas vazias ou com sucata há pelo menos seis meses. 

Justiça manda 'youtuber' divulgar direito de resposta para emissora de TV

Acionado pelo grupo Bandeirantes, canal bolsonarista queria publicar resposta na descrição do vídeo, mas TJSP determinou que "seja publicado em vídeo, com o mesmo destaque da matéria objeto da demanda".



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G