Clicky

Convergência Digital - Home

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 07/06/2021

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples e envolve transformações internas, alinhamento estratégico, mudanças em processos e, mais que tudo, definição de objetivos.

A cultura data-driven, segundo explicou Ricardo Santana, sócio-líder do centro de excelência para dados, inteligência artificial e automação  da KPMG, consiste em tomar decisões embasadas em dados e ela existe quando uma empresa organiza seus processos e métricas com base nos dados reais, fugindo de decisões embasadas em intuição.

Trata-se, segundo Jefferson Denti, líder da prática digital da área de consultoria da Deloitte, de uma jornada de transformação cultural acima de tudo e para passar por ela as empresas precisam se questionar como operam hoje; como se engajam com os clientes e como transformam o seu negócio. "Se pegar os setores, o bancário, com as fintechs e bancos digitais dominando, porque têm conhecimento digital mais forte e sabem entregar algo mais individualizado", exemplificou Denti.

Na definição do líder de digital da Deloitte, uma empresa data-driven consegue traduzir a necessidade dela de negócio em perguntas claras, usando técnicas quantitativas para achar insights e contando com talentos que sejam "purple people", quando junta a lógica de negócio com a lógica de tecnologia.

Isso, completou, se traduz em uma cultura voltada a dados, com boa definição de negócio, pessoas qualificadas e preparadas e contando realmente com as ferramentas e os dados necessários. Quando tudo isso está bem  orquestrado os resultados aparecem.

É fundamental, portanto, ter a consciência de que a orientação a dados é um fator crítico para a competitividade das empresas, conforme assinalou Luiz Riscado, diretor de negócios do SAS. "Quando estamos falando de data-driven estamos falando de ser data-driven para quê? Ser data-driven por si não se justifica; tem de ter finalidade, que é a tomada de decisão o mais real time possível, com o uso da melhor e mais avançada estatística possível e com a maior amplitude de dados possível. Ou seja, inteligência em tempo real, compartilhada, sistêmica e corporativa é o fim; data-driven é meio", explicou Riscado. 



Destaques
Destaques

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.

TCU cobra base de dados única do governo federal

Para a Corte, é responsabilidade da União criar uma base única de dados como forma de impedir fraudes.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site