Clicky

Home - Convergência Digital

O 5G ainda está à espera do leilão, mas Inatel e RNP lideram projeto Brasil 6G

Convergência Digital* - 01/06/2021

O Inatel e a Rede Nacional de Pesquisa (RNP) estão à frente do projeto Brasil 6G, que conta com a participação de várias instituições de ensino e pesquisa nacionais e tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI. A iniciativa é dividida em várias frentes de pesquisa.

“O Brasil 6G é um projeto nacional, que extrapolou as fronteiras do campus do Inatel e hoje acontece de forma distribuída em diversas outras instituições. Universidades federais do Pará, Ceará, Goiás, Rio de Janeiro, Santa Catarina, além da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), integram o grupo, que tem ainda a colaboração de universidades estrangeiras como a de Oulu, na Finlândia”, comenta o coordenador de Pesquisa do Centro de Referência em Radiocomunicações (CRR), professor Luciano Leonel Mendes.

No Inatel, além dos pesquisadores do CRR, que teve seu time reformulado para esse novo projeto, todos os docentes estão atuando de forma direta ou indireta nas pesquisas sobre 6G, de acordo com o professor. “Dividimos as frentes de pesquisa em várias ramificações porque o projeto prevê várias aplicações diferentes. Temos frentes voltadas para o uso de Inteligência Artificial e Sistemas de Comunicação, Inovações em RF e Comunicações Ópticas, Casos de uso e Requisitos, Arquitetura, Segurança e Sustentabilidade de Rede e Comunicação. Temos também a parte voltada para Posicionamento, Imagem, Sensoriamento e Mapeamento de Alta Definição”, explica o professor.

Ele destaca também que embora seja uma continuidade das pesquisas sobre 5G, o novo projeto tem uma vertente muito mais inovadora, pois engloba estudos para uma rede que ainda não existe e tem uma série de aplicações bastante futuristas. “É um trabalho bem diferente, muito mais amplo e desafiador. Quando você olha para as aplicações da rede 5G, são coisas para as quais já existiam demanda. Aplicações que exigiam alta vazão de dados ou baixa latência. Mas era uma coisa ou outra. Já na Rede 6G será preciso prover esses requisitos extremos ao mesmo tempo. Para isso, a forma convencional de se pensar em uma rede não pode continuar existindo”, esclarece.

De acordo com Rubens Caetano de Souza, coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento da Secretaria de Empreendedorismo e Inovação do MCTI, o Brasil 6G é um projeto pioneiro que pode colocar o Brasil na vanguarda da tomada de decisões sobre a 6ª geração de comunicações móveis. “Esse projeto vai colocar o Brasil frente a frente com os principais países que desenvolvem essa tecnologia, fazendo com que possamos trazer requisitos específicos da nossa nação, de acordo com nossas necessidades, sejam elas econômicas, socioambientais e educacionais. Teremos a possibilidade de estar nas mesas de discussões e definições junto com pesquisadores do mundo todo”, pontuou.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/07/2021
Economia: Leilão do 5G será o 'gol de placa' das privatizações

23/07/2021
Porto de Santos vai receber 5G em piloto do governo

22/07/2021
Teles da Espanha pagam R$ 6,7 bilhões por 5G em 700 MHz

21/07/2021
AT&T: Primeira cidade inteligente em 5G será na capital dos EUA

20/07/2021
OpenRAN: o novo capítulo da guerra fria da globalização e do poder no 5G

19/07/2021
Anatel certifica tecnologia nacional para bloquear sinal 5G nos presídios

16/07/2021
China dá troco na Suécia e Ericsson perde receita com 5G

16/07/2021
Telefônica deixa Huawei fora da rede 5G Standalone na Espanha

15/07/2021
Economia: Leilão do 5G usa recursos de telecom para telecom e não dribla teto

15/07/2021
Ericsson, Telia e Qualcomm unem forças por 5G Standalone

Destaques
Destaques

5G vai gerar até US$ 5 trilhões ao PIB mundial

Em 2020, em plena pandemia, as tecnologias e serviços móveis contribuíram com US$ 4,4 trilhões do PIB global, um incremento de pouco mais de 7% em relação a 2019, revela a GSMA. Ano passado, o mundo contabilizou 5,2 bilhões de assinantes móveis, ou 67% da população mundial.

Open RAN é para 5G senão vai ter muita confusão entre fornecedores

Há uma determinação que Open RAN é release 16, então o Open RAN não será para o 4G, sustenta o head de tecnologia da Nokia para América Latina, Wilson Cardoso. "Um bite errado, simplesmente não vai funcionar", adverte.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência do 5G: Mais que eficiência, uma necessidade

Por Vinicius Marchese*

Imagine uma construção com guindastes de torres inteligentes, controle multidimensional, drones monitorando o projeto em tempo real e que, inclusive, permitem que a equipe de engenheiros faça intervenções no projeto em tempo real para evitar possíveis erros. Esta descrição pode não estar só na sua imaginação. Ela já é uma realidade no mundo graças ao 5G.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site