Clicky

OPINIÃO

Dez anos sem Renato Guerreiro

Por Juarez Quadros do Nascimento*
27/02/2021 ... Convergência Digital

Dez anos já se vão sem o Renato Guerreiro entre nós, contudo cabe aqui lembrar a sua memória. Renato Navarro Guerreiro, filho de Guilherme Imbiriba Guerreiro e Marluce Navarro Guerreiro, nasceu em 15/01/1949, em Oriximiná, no Pará, uma cidade às margens do Rio Trombetas (um dos afluentes do Rio Amazonas). Faleceu aos 62 anos de idade, em Brasília DF, no dia 28/02/2011. Aos 11 anos de idade deixou a cidade natal e foi para Belém do Pará, a fim de cursar a quinta série do primário e se preparar para o exame de admissão ao ginásio. Em Belém, no ano de 1968, concluiu o Científico no Colégio Estadual Paes de Carvalho.

Em 1969 foi aprovado no vestibular para Engenharia na Universidade Federal do Pará, mas preferiu se transferir para a PUC, no Rio de Janeiro, onde, em 1973, graduou-se Engenheiro Eletricista, apostilado em Telecomunicações. Na PUC exerceu monitoria de Física a lhe complementar a bolsa de estudo integral, que foi devolvida após se formar. Como tricolor obstinado, no Maracanã, vibrava ao assistir jogos do Fluminense. Nesse mesmo ano casou com a Carol (Carolina Castelo Branco Guerreiro), para daí, mais tarde, nascerem a Vívian e o Thiago.

Seu primeiro emprego como engenheiro foi na TV Educativa do Rio de Janeiro, onde desenvolvia estudos de viabilidade técnica para a inclusão de canais no plano básico de radiodifusão. Em 1974, convidado pelo Abraham Jayme Levy, ingressou na Telepasa (depois Telepará). O Levy foi um dos engenheiros da Embratel que liderados pelo Roberto Lamoglia de Carvalho foram os primeiros diretores da empresa do Sistema Telebrás no Pará.

Assim ele voltou para o seu estado natal. Trabalhou na Divisão de Transmissão, da Diretoria Técnica, que era composta por mais quatro divisões: Redes, gerenciada por mim; Comutação, pelo Marco Aurélio; Obras Civis, pelo Machado; e a de Energia, pelo Santana. Todos jovens engenheiros e motivados, sob a liderança do Jayme Levy. A responsabilidade do Guerreiro, na Divisão de Transmissão, era projetar e implantar as rotas de transmissão de longa distância dentro do estado do Pará. As rotas para fora do estado eram da Embratel.

O destino, todavia, ceifou a vida do grande Levy que, ao retornar de uma viagem de trabalho, sofreu fatal acidente com o carro que o transportava. A triste ocorrência foi um choque para todos nós. No início de 1976, a Telebrás recompôs a diretoria da Telepará. Para a Diretoria Técnica o Lamoglia indicou o Afonso Negrão, que ocupava a Diretoria de Operações, que por sua vez, convidou o Guerreiro para gerenciar a Assessoria de Desenvolvimento Técnico.

Na Assessoria de Desenvolvimento Técnico, Guerreiro coordenou o grande projeto de integração do estado. Foram instalados sistemas de transmissão em micro-ondas com capacidade da 300 a 960 canais, assim como rotas secundárias em UHF de 60 canais. Foram implantadas e ampliadas as redes locais em Belém e no interior. Ao mesmo tempo foram instaladas novas centrais telefônicas em várias cidades do estado. Foram muitas as realizações.

Em 1978, Guerreiro saiu da Telepará e foi para a Telebrás com a responsabilidade de gerenciar os Ciclos de Reuniões de Coordenação e Planejamento do setor. Em 1979, Lamoglia o convidou para voltar e assumir a Diretoria de Operações da empresa. Em 1980, Lamoglia me indicou para ser diretor da Teleacre e no mesmo ano, transferiu-se para Minas Gerais para ser o vice-presidente da Telemig. Após três anos como diretor de Operações, Guerreiro mudou para a Diretoria Técnica e eu, então diretor Técnico-Operacional da Teleacre, retornei à Telepará e o substitui na Diretoria de Operações.

Em 1984, Guerreiro renunciou ao cargo de diretor Técnico da Telepará e retornou à Telebrás para gerenciar o Departamento de Gestão de Investimentos, da Diretoria de Planejamento e Engenharia. Permaneceu nesse departamento até 1988. Em 1985 na ocasião em que eu concluía o mandato de diretor na Telepará, o Paulo Edmur Pollini, diretor de Coordenação de Operações da Telebrás, interessado em me convidar para gerenciar um departamento da Telebrás, consultou o Guerreiro que, de imediato, apoiou a idéia e assim eu vim para Brasília, onde fiquei até 1986, quando fui transferido para o Acre como presidente da Teleacre.

Em 1989, Guerreiro assumiu o Departamento de Operações da Telebrás. Em 1990, o ministro da Infraestrutura, Ozires Silva, prestigiou o Joost Van Damme (ambos itianos) para presidir a Telebrás. Para minha surpresa, fui distinguido pelo Joost que me convidou para deixar a Teleacre e assumir a Diretoria de Coordenação de Operações da Telebrás, onde o Guerreiro gerenciava um departamento. Ao mesmo tempo, o Sérgio da Silva Braga (outro paraense, oriundo da Telemig) que também fez parte da nova gestão da Telebrás, como Diretor de Recursos Humanos e Materiais, convidou o Guerreiro para gerenciar o Departamento de Desenvolvimento de Recursos Humanos. Foi uma desafiante e honrosa missão.

Em 1991, para solucionar uma crise administrativa na Telpe, Guerreiro teve que assumir a presidência da empresa. No final do mesmo ano ele deixou Recife e retornou à Telebrás para, desta vez, assumir o Departamento de Coordenação de Planejamento e Controle Empresarial, da Vice-presidência. Em 1992, quando eu acumulei a Diretoria de Planejamento e Engenharia da Telebrás, o convidei para gerenciar o Departamento de Gestão de Investimentos. Guerreiro aceitou, mas não demorou no cargo, pois foi cedido ao Ministério das Comunicações para assumir a Diretoria de Tarifas, onde inovou importantes trabalhos.

Em 1993, com o Djalma Bastos de Moraes, ministro da Comunicações, e o Jorge Jardim, na Secretária Executiva, Guerreiro assumiu a Secretaria de Serviços de Comunicações. Em 1994, ele elaborou um relatório, cujo foco era a atenção à demanda da sociedade brasileira por comunicações mediante investimentos, que só seriam possíveis com a participação da iniciativa privada e em regime de competição. Destacou a necessidade de uma emenda constitucional que permitisse a privatização do setor, de um projeto de lei que modificasse o Código Brasileiro de Telecomunicações e que instituísse um órgão regulador. O relatório chegou à coordenação do programa de governo de Fernando Henrique Cardoso, recém-eleito presidente da República.

No final de 1994, Sérgio Motta, que havia lido o relatório e viria a ser o ministro das Comunicações, conversou com o Guerreiro. Com a posse presidencial, o Guerreiro continuou na Secretaria de Serviços de Comunicações, e eu, ao concluir o meu mandato de diretor da Telebrás, fui chamado pelo Guerreiro para a Diretoria de Serviços Públicos. Fernando Xavier Ferreira, Secretário Executivo do ministério, ao final de 1995, foi presidir a Telebrás e Guerreiro o substituiu na Secretaria Executiva. Novamente fui prestigiado pelo Guerreiro, que sugeriu ao Sérgio Motta que eu assumisse a Secretaria de Fiscalização e Outorgas.

Com a vontade política do presidente Fernando Henrique e o empenho executivo do ministro Sérgio Motta foi montada uma equipe a revolucionar o setor. A Emenda Constitucional nº 8 foi promulgada, foram elaborados os projetos da Lei Mínima (Lei 9.295/1996) e depois o da Lei Geral de Telecomunicações (Lei 9.472/1997). Tudo foi acontecendo com o acompanhamento permanente do Guerreiro. As leis prosperaram, a Anatel foi instalada e o Guerreiro foi empossado presidente da Agência (5/11/1997), juntamente com os conselheiros: Luiz Perrone, Mário Leonel, José Leite e Antonio Carlos Valente. Com a Anatel em ação, em 1998, aconteceu o grande leilão de privatização das empresas do Sistema Telebrás.

Mais uma vez trocamos de cargos e encargos. Com a ida do Guerreiro para a Anatel, eu o substituí na Secretaria Executiva do Ministério das Comunicações. Ele presidiu a Anatel nos momentos mais importantes da história das telecomunicações do Brasil. Cumpriu dois mandatos; o primeiro, completo (1997/2000) e o segundo, incompleto (2000/2002); pois, em março de 2002, renunciou ao cargo, mas até hoje a Anatel é a cara do Guerreiro. Foram muitos os seus amigos. Ele criou vitórias magníficas no setor.

(*) O autor é Engenheiro Eletricista. Foi ministro de Estado das Comunicações e presidente da Anatel.


Carreira
IGTI abre inscrições para mais de 40 tipos de bootcamps em TI

Entre os cursos disponíveis estão Inteligência Artificial, Cybersecurity, programação iniciante, entre outros. As aulas são 100% online e o aluno paga apenas uma taxa de matrícula no valor de R$ 150.00. Não há mensalidade. Cursos duram dois meses e meio e têm 148 horas de conteúdo.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G