Clicky

Oi vai para a arbitragem com a Anatel por conta da concessão da telefonia fixa

Ana Paula Lobo ... 19/07/2021 ... Convergência Digital

A Oi também vai partir para a arbitragem com a Anatel no caso da migração de concessão, depois de a agência reguladora definir as regras com a Telefônica, a primeira a firmar esse tipo de ação com o órgão. A informação foi dada nesta segunda-feira, 19/07, durante a divulgação do plano estratégico da Nova Oi para 2021 a 2024, pelo CEO da operadora, Rodrigo Abreu. "Estamos perto de assinar o contrato da arbitragem e não queremos falar de expectativas, mas são 'vários' bilhões de reais que vão compensar qualquer obrigação imposta para a migração", reiterou Rodrigo Abreu.

Com relação à concessão, a Oi acredita em uma definição do modelo pela Anatel até o final deste ano, com as operadoras fazendo as suas contrapartidas até a metade do segundo semestre de 2022. "Temos de colocar todos os custos da concessão na ponta do lápis. Mas temos duas delas que são fortes: a obrigação de investimento em orelhões, que chega a R$ 130 milhões por ano, com uma receita muito, muito abaixo e a questão de furto e roubo de cabos que oneram a empresa em cerca de R$ 200 milhões por ano", observou Abreu.

A situação é complexa e demandará uma boa 'saia justa' entre o governo, Anatel e as operadoras. Em recente debate sobre a migração das concessões, o vice-presidente da Anatel, Emmanoel Campelo, deixou claro que "a LGT prevê claramente que a concessão se sujeita aos riscos do negócio. Se o poder Público não interveio no bônus, quando as empresas ganharam com isso, não deve intervir no ônus." Adicionou ainda que as concessionárias entendem pela obrigatoriedade de que o Poder Público garanta a sustentabilidade econômica da concessão, ainda que seja necessário reduzir seu escopo ou utilizar subsídios públicos. A Anatel defende que o STFC não segue os modelos comuns de concessão", ressaltou.


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Teles sugerem prêmio às cidades que facilitarem antenas de 5G

Ideia é copiar marco legal do saneamento e pontuar os municípios com regras amigáveis à telecom em ranking de acesso a recursos públicos e convênios. 

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

TIM convoca rivais para brigar por propaganda com Google e Facebook

Os planos de uma carteira digital única não andaram como o desejado, mas a TIM almeja uma plataforma única de publicidade. “Se nos reunirmos podemos competir com Google e Facebook em um mercado muito maior”, vislumbra o presidente Pietro Labriola. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G