Clicky

Home - Convergência Digital

Teles querem filtros nas parabólicas e 100 MHz adicionais no leilão 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 11/12/2019

Na véspera da votação, pela Anatel, da proposta que vai à consulta pública sobre o leilão do 5G, as operadoras de telecom Algar, Claro, Oi, TIM, Sercomtel e Vivo, associadas aos fabricantes Cisco, Ericsson, Huawei, Nokia e Qualcomm divulgaram nesta quarta-feira, 11/12, um posicionamento público em favor de mais espectro na principal faixa dessa licitação, 3,5 GHz, e a opção pela solução mais econômica para a mitigação de interferência na recepção das antenas parabólicas. 

“Feita a análise dos potenciais impactos decorrentes de uso dos cenários identificados, avaliamos que a melhor alternativa, sob os aspectos técnico, social e econômico, a ser considerada nas políticas públicas que orientarão o edital para uso da faixa de 3,5 GHz, é a mitigação de interferências, permitindo a convivência entre os sistemas do 5G com a TVRO na Banda C na faixa de 3,7 a 4,2 GHz. Para isso serão utilizados filtros (LNBF) de nova geração, conferindo maior segurança técnica para os proponentes e menor impacto para a sociedade”, diz o posicionamento.

Essa solução concentra a televisão na Banda C  (3,8-6,2 GHz) e se opõe ao que defendem as emissoras de televisão, que preferem a migração para a banda Ku (10-18 GHz). O uso de filtros, alega a indústria de telecom, “terá um custo aproximado de R$ 456 milhões, enquanto a migração de 100% dos usuários, somente na recepção, para a banda Ku implicará em um custo de R$ 7,8 bilhões”.

A solução das teles significa manter a TVRO para além dos 3,8 GHz, liberando a chamada ‘Banda C estendida’, entre 3,6 e 3,7 GHz, para uso pelas aplicações móveis. Ou seja, o leilão poderia oferecer os 400 MHz de banda entre 3,4 a 3,7 GHz, cenário para quatro compradores de blocos de 100 MHz, e ainda seria estabelecida uma banda de guarda de 100 MHz até os 3,8 GHz, desenho que associado aos filtros LBNF nas antenas evitaria as interferências. 

“A opção pela mitigação salvaguarda importantes recursos que poderão não só serem empregados na melhoria da cobertura e da qualidade das redes de telecomunicações, mas, principalmente, no desenvolvimento do 5G no país, com impacto direto sobre os usuários dos serviços, e a operacionalização desta opção já deveria estar explícita na proposta de edital a ser submetida a consulta pública pela Anatel, proporcionando maior segurança jurídica ao processo licitatório”, concluem.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/01/2021
Operadoras abraçam Open RAN aberto, mas cobram financiamento da União Europeia

19/01/2021
EUA querem dar a faixa de 12 GHz para o 5G

15/01/2021
Teles querem deixar migração das parabólicas para depois do leilão 5G

11/01/2021
Consumidor abre mão de acesso 5G por bateria com mais duração

05/01/2021
Brasileiro será CEO global da Qualcomm a partir de junho

18/12/2020
Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

16/12/2020
Capdeville, CTIO da TIM: "Usamos equipamentos chineses há vinte anos e não há nada que desabone a rede brasileira"

16/12/2020
TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

15/12/2020
Ceitec, no RS, tem estrutura para produzir chips 5G

11/12/2020
Algar Telecom testa OpenRAN em centro de 5G criado pela IBM, Flex e FIT

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site