Clicky

Home - Convergência Digital

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Luís Osvaldo Grossmann - 14/12/2020

A disseminação do uso da faixa de 700 MHz no Brasil ampliou a proporção de tempo que os usuários passaram conectados aos serviços 4G. Um novo relatório da britânica OpenSignal avalia o acesso à quarta geração nas dez maiores cidades do país, com base em uma pontuação combinada para todas as operadoras que oferecem serviços 4G. O destaque é Belo Horizonte, com 4G disponível mais de 90% do tempo. 

“A análise mostra que no ano passado, desde o terceiro trimestre de 2019, as redes 4G no Brasil continuaram avançando em direção à maturidade. Durante este período, a disponibilidade nacional de 4G de nossos usuários brasileiros cresceu 4,5 pontos percentuais para 79,9%, enquanto as das 10 principais cidades relataram um crescimento desigual nesta medida, variando entre um e 4,8 pontos percentuais”, aponta o relatório. 

Os usuários em Belo Horizonte desfrutaram da maior disponibilidade 4G de 91%. Fortaleza e Manaus ficaram atrás, com pontuações inferiores a um por cento do marco de 90%, junto com Recife (88,9%) e Salvador (88,5%) com pontuações médias pouco abaixo de 89%. Porto Alegre (87,1%) teve o menor crescimento, cerca de um ponto percentual. Brasília cresceu 4,8 pontos percentuais, chegando a 87,3%. São Paulo (85,9%), Curitiba (84,8%) e Rio de Janeiro (82,6%) completam essa lista. 

Para a OpenSignal, “esses dados indicam que as redes 4G do Brasil estão se aproximando da maturidade. No entanto, uma grande diferença permanece na disponibilidade 4G experimentada por nossos usuários com base na escolha da rede da operadora. No relatório de experiência de rede móvel mais recente da Opensignal no Brasil, descobrimos que a pontuação de disponibilidade 4G nacional da TIM foi notável 88,2% - mais de 8,5 pontos percentuais à frente de seus principais rivais Claro (79%) e Vivo (79,5%), e 18 pontos à frente de Oi último colocado (70,2). 

Como destaca a análise, existem diferentes maneiras de medir a extensão ou cobertura de uma rede móvel. Uma delas é considerar a quantidade de tempo que os usuários passam conectados. O estudo mede a proporção de tempo que usuários com um dispositivo 4G e assinatura são capazes de ter uma conexão de rede 4G em todos os lugares que visitam, dentro ou fora de casa, em locais públicos ou em casas ou escritórios, e durante todas as horas de o dia.  

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

04/03/2021
À espera do 5G, teles na Índia renovam frequências por R$ 60 bilhões

04/03/2021
Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

22/02/2021
Teles: 4G fecha 2020 com redes em 5.275 municípios brasileiros

29/01/2021
Teles divulgam que 4G chega a 5138 municípios

12/01/2021
Metade das redes móveis na América Latina oferece voz sobre LTE

14/12/2020
Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

30/11/2020
Vivo toma liderança da TIM no pré-pago

24/11/2020
Highline compra Phoenix Tower e passa a deter 3,2 mil torres no Brasil

09/11/2020
Em agosto, 30 chips 4G foram ativados por minuto no Brasil

04/11/2020
Claro supera rivais no pós-pago. Vivo encosta na TIM no pré-pago

Destaques
Destaques

5G será muito mais B2B e vai injetar R$ 13,5 bilhões no mercado nos próximos dois anos

Finalmente o 5G entrou na lista das dez previsões para os mercados de Tecnologia e Informação e Telecomunicações da IDC para 2021/2022. Consultoria prevê que a receita virá de novos negócios com IA, IoT, cloud, segurança, robótica e realidade aumentada e virtual.

5G só começa depois de garantia de recepção nas parabólicas

Pelo cronograma previsto na proposta de edital, oferta do 5G tem início 300 dias depois de formalizada a ‘compra’ das frequências – portanto no segundo semestre de 2022.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site