Clicky

Home - Convergência Digital

Aos 23 anos, Anatel lista 5G como próximo desafio

Luís Osvaldo Grossmann - 05/11/2020

A Anatel festejou nesta quinta, 5/11, 23 anos de existência em cerimônia discreta, transmitida pela internet. Além de destacarem a resiliência das redes de telecomunicações brasileiras durante a pandemia de Covid-19, os conselheiros da agência apontaram os próximos desafios do regulador, especialmente na implantação do 5G, o fim das concessões de telefonia e a incorporação de novas regras de segurança cibernética. 

“Entre os desafios que nos aguardam, a economia brasileira precisa ter sua digitalização aprofundada, a conectividade precisa se tornar mais real na vida dos brasileiros”, ressaltou o presidente da agência, Leonardo de Morais, ao abrir a cerimônia.  Ele listou que “2020 foi um ano em que as principais pautas que moldarão o futuro próximo avançara.  Segundo o executivo, o leilão do 5G será a maior licitação de direito de uso do espectro na historia da agencia e passou por fases cruciais em 2020.

Também observou diversos passos rumo à regulamentação definitiva das mudanças trazidas pela Lei 13.879/19, a principal mudança microeconômica do setor de telecomunicações desde a desestatização, que permitirá a migração das antigas concessões de telefonia fixa para autorizações. "Esses dois grandes projetos contribuirão para a digitalização brasileira na recuperação pós crise”, reforça Morais.

Na mesma linha, o vice presidente Emmanoel Campelo lembrou de ações regulatórias que podem ampliar investimentos. “Teremos muito a fazer, uma extensa agenda a cumprir com revisão de regulamentos, como o de adaptação, que permitirá rever o saldo em compromisso de investimentos, como a expansão de redes em alta capacidade em áreas que ainda não possuem essa infraestrutura. Teremos a revisão dos contratos de concessão, e a revisão do PGMU 4, cujas metas passam por reavaliações para ficarem mais aderentes ao presente.”

Também presente ao evento, o secretário executivo do Ministério das Comunicações, Vitor Menezes, que é servidor de carreira da agência, reforçou a importância dos desafios do futuro próximo. “Temos o 5G pela frente, temos o desafio de aplicar o relatório da OCDE, com algumas questões sensíveis que teremos que aplicar e a Anatel é um dos grandes atores nesse cenário. Temos o desafio de a Anatel abarcar o setor postal. Temos os desafios da migração da concessão para autorização e investimento de bilhões de reais, fortalecimento da infraestrutura, as questoes envolvendo novas tecnologias, novas formas de prestação de serviços, as redes neutras.”

Ele ressaltou que a agência vai ganhar novas atribuições, notadamente no campo da segurança cibernética. “Teremos as questões envolvendo cibersegurança. Não se iludam, depois que essa decisão for tomada, quem vai cuidar disso é a Anatel. Juntamente com o Gabinete de Segurança Institucional, mas no setor privado a Anatel que vai cuidar disso. O desafio de repensar a radiodifusão, o Serviço de Acesso Condicionado, que devem passar por grandes mudanças no futuro breve. E ainda a alteração da Lei do Fust, que vai ser muito importante.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/01/2021
Covid-19 faz disparar as queixas contra banda larga e celular pré-pago

25/01/2021
Anatel rejeita pedido das móveis e encerra consulta sobre 6 GHz para WiFi

17/12/2020
Anatel estabelece regras de segurança cibernética para redes de telecom

17/12/2020
Oi e Vivo querem ser compensadas porque clientes não usam mais telefone fixo

16/12/2020
Anatel apreende 15 mil carregadores de celulares na 25 de Março, em São Paulo

15/12/2020
Recondução de Vicente Aquino para Anatel vai ao Plenário do Senado

11/12/2020
Bolsonaro encaminha recondução de Vicente Aquino ao Conselho da Anatel

10/12/2020
Por unanimidade, Anatel sugere destinar toda faixa de 6 GHz para o WiFi

10/12/2020
Anatel mantém prazo menor e preço de mercado para nova prorrogação de frequências

27/11/2020
Oi acerta corte de 50% em multas da Anatel, para R$ 7 bilhões, mas conta pode cair para R$ 4 bilhões

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site