Clicky

Home - Convergência Digital

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Luís Osvaldo Grossmann - 11/11/2019

A demanda de investimentos massivos em infraestrutura, para endereçar o que a Anatel aponta como lacunas de redes no país, merece atenção do Poder Público. Como é regra acontecer na maioria dos países, a implementação da nova tecnologia representada pelo 5G deve ser acompanhada de políticas públicas, destacou o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, ao participar do Workshop 5G no Brasil. 

“Existe uma necessidade muito grande de políticas públicas para fazer implementação de qualquer nova tecnologia, mas principalmente no caso do 5G que é uma tecnologia disruptiva e afeta toda a cadeia econômica do país. É uma forma que o Brasil tem de crescer sem precisar de mágicas, de planos. Basta deixar o 5G ser implementado e ele vai ter impacto direto no PIB, na economia, na qualidade de vida do cidadão”, disse o diretor da Huawei. 

Como indicou, são várias formas em que o governo pode atuar. “Na questão do espectro, por exemplo, é importante que o leilão não atrase a implantação do 5G. Que seja feita de forma adequada, não precisa ter pressa, tem que ser bem feito, mas também que a gente não tenha atrasos desnecessários para que isso possa ser implementado rapidamente.”

“Por outro lado, 5G precisa de suporte para escoar esse tráfego, backhaul. Todo mundo fala que vai ter tráfego de 10, 20, 50 ‘giga’, mas para onde vai isso? Tem que escoar. No mundo inteiro tem política pública que estimula a implementação de backbones, que estimula aqueles que já existem sejam usados de forma efetiva. Alguns cabos de fibra, OPGWs das empresas de transmissão de energia não estão sendo bem utilizados, mas é importante que seja feito. É desperdício de recursos”, lembrou. 

Outro ponto é a infraestrutura nas cidades. “A Lei das Antenas, se estivesse sendo cumprida pelas prefeituras, estaríamos em fase mais avançada. E tem a questão do direito de passagem, que não é cumprido inclusive por órgãos federais. Nas cidades os procedimentos de licenciamento precisam ser simplificados. Portanto políticas públicas locais e federais precisam ser modernizadas para chegarmos no 5G. Se hoje as empresas não conseguem licenciamento para o 4G, imagine no 5G que vai ter exigir mais antenas.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/11/2020
Teles: restrição a fornecedores é um risco ao 5G e aos consumidores

26/11/2020
Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

24/11/2020
Leilão 5G: Embaixada da China reage forte contra filho do presidente Jair Bolsonaro

24/11/2020
Minicom se diz cobrado por Bolsonaro para fazer o leilão 5G

24/11/2020
Highline compra Phoenix Tower e passa a deter 3,2 mil torres no Brasil

19/11/2020
Qualcomm e Nokia: Ondas milimétricas são a mudança do modelo de negócio no 5G

18/11/2020
Anatel: Cibersegurança em Telecom une teles e os mais de 10 mil prestadores de serviços SCM

17/11/2020
TBNet fecha parceria com tele para transformar 23 mil ATMs em hotspots Wi-Fi 5G

16/11/2020
EUA autorizam Qualcomm a exportar chips 4G para Huawei, mas proíbe o 5G

13/11/2020
Oi avalia 5G para usar 3,5 GHz em banda larga fixa

Destaques
Destaques

Anatel: Cibersegurança em Telecom une teles e os mais de 10 mil prestadores de serviços SCM

"Não há como fazer obrigação em cibersegurança. O ambiente tem de ser cooperativo e não é apenas com as teles. São mais de 10 mil pequenos prestadores de serviços e eles têm de estar ativos. Temos de ter uma coordenação entre todos os atores", disse o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali.

Aos 23 anos, Anatel lista 5G como próximo desafio

“Entre os desafios que nos aguardam, a economia brasileira precisa ter sua digitalização aprofundada, a conectividade precisa se tornar mais real na vida dos brasileiros”, destacou o presidente da agência, Leonardo de Morais, também ressaltando a segurança cibernética e renovação das concessões em 2025.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

IoT e os novos negócios e aplicações para o mercado de energia

Por Pedro Al Shara*

Analistas de mercado estimam que o impacto da Internet das Coisas na economia alcance de 4% a 11% do Produto Interno Bruto do planeta em 2025.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site