Home - Convergência Digital

Faltam profissionais para cuidar dos ataques cibernéticos no Brasil

Convergência Digital - 06/02/2020

O governo admite na Estratégia Nacional de Segurança da Informação, a e-ciber, publicada nesta quinta-feira, 06/02, no Diário Oficial da Uniao, que o Brasil possui poucos profissionais especializados em segurança cibernética e que há uma baixa conscientização dos usuários da Internet com relação ao tema. Para o governo, é urgente criar um programa nacional destinado à formação técnica nos órgaos do governo e nas empresas privadas.

A e-ciber sustenta que "urge a necessidade de um programa de capacitação de abrangência nacional destinado à formação técnica e ao aprimoramento de recursos humanos com vistas a fortalecer a segurança cibernética nos órgãos de governo e nas empresas privadas. Nesse contexto, as instituições públicas devem buscar a articulação e o fortalecimento na área de segurança cibernética, por meio de ações colaborativas e de parcerias com o setor privado, com a academia e com o terceiro setor, no País e no exterior, para estimular o contínuo desenvolvimento de massa crítica e de talentos. Visualiza-se como uma das alternativas possíveis, a disponibilização de treinamentos gratuitos em segurança cibernética em plataformas virtuais de governo."

Ainda conforme o governo, "o investimento em capacitação de profissionais de segurança - gestores, analistas e mesmo operadores - objetiva a adoção não apenas de uma atitude preventiva ou reativa diante de ameaças e de incidentes cibernéticos, mas também de uma atitude consultiva, o que resultará em maior confiança por parte das áreas finalísticas de suas instituições, e em menor resistência, em caso de recomendações." Há ainda o alerta que, em geral, as equipes de segurança enfrentam uma disparidade entre a disponibilidade de mão de obra qualificada e a sofisticação das ameaças, sendo de suma importância o investimento na capacitação de profissionais para que possam, de modo eficaz, enfrentar os desafios.

A e-ciber estudo divulgado pela Brasscom - Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, no qual o mercado de tecnologia no Brasil precisará de aproximadamente 70 mil profissionais ao ano até 2024, número que poderá representar um déficit de 260 mil pessoas qualificadas no período. A Estratégia Nacional de Segurança da Informação foi publicada no Diário Oficial da União.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/01/2021
Contra invasões, Microsoft orienta uma série de correções de vulnerabilidades

11/01/2021
Brasil é o país onde mais faltam profissionais de cibersegurança

11/01/2021
Accenture compra empresa brasileira de segurança da informação e defesa cibernética

17/12/2020
Anatel estabelece regras de segurança cibernética para redes de telecom

17/12/2020
CNJ aprova regras para tribunais e cria grupo de segurança cibernética

09/12/2020
Governo adota sistema de duplo fator de autenticação no Gov.br

03/12/2020
IBM alerta sobre ataques hacker na cadeia de distribuição de vacinas para Covid-19

03/12/2020
SentinelOne capta US$ 267 milhões e seu valor de mercado atinge US$ 3 bilhões

01/12/2020
Divulgação voluntária de vazamento de dados traz resultado para o bolso das empresas

25/11/2020
Locadora Unidas admite que hacker teve acesso a dados do sistema

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A confiança é ganha com mil atos e perdida com apenas um

Por Luis Banhara*

À medida que o conceito de trabalho se descola dos escritórios, mesmo que parcialmente, surgem novos desafios de segurança. A superfície de ataque foi ampliada.

Destaques
Destaques

Na liderança, curiosidade insana e coragem impactam mais que a competência

Vice-presidente para setor público na AWS, Teresa Carlson, e Indra Nooyi, membro do board da Amazon e ex-CEO e chairman da PepsiCo, admitiram que a Covid-19 tem provocado crises existenciais em muitas pessoas e que, há, sim, um forte e um injusto desequilíbrio para as mulheres.

Média salarial de profissional de TI no Brasil ficou em R$ 4.849,00

Pesquisa nacional, realizada pela Assespro-Paraná e pela UFPR, mostra a desigualdade econômica do país. No Nordeste, em Sergipe, a média salarial é de apenas R$ 1.943.00. Em São Paulo, essa média sobe para R$ 6.061,00. Outro ponto preocupante: a diferença salarial entre homens e mulheres segue acima de dois dígitos.

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site