Clicky

Empresas ainda temem impacto dos custos da interferência do 5G nas parabólicas

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/03/2020 ... Convergência Digital

A forma e o custo da ‘limpeza’ da Banda C estendida, de forma que o 5G possa contar com 100 MHz adicionais na faixa intermediária, permitindo a venda de todo o naco entre 3,4 MHz e 3,7 MHz, é ainda uma das principais preocupações com o edital de espectro para implantação da nova tecnologia. 

As operadoras de satélite sustentam que essa mudança foi incluída de última hora na proposta de edital apresentada pela Anatel. Mas mesmo as teles móveis, principais interessadas nesse ajuste, entendem que ainda não está devidamente explicitado como se dará, e especialmente quanto vai custar, esse processo.

“A proposta afeta serviços já oferecidos em variada gama de serviços e isso exige um debate mais completo. É imperativo que se avalie os impactos diretos e indiretos pelo uso da faixa de 3,6 GHz a 3,7 GHz”, apontou o presidente do Sindisat, Luiz Otavio Prates, durante a audiência pública sobre o edital 5G realizada pela Anatel nesta quinta, 12/3. 

Esses 100 MHz adicionais – para além da intenção original de licitar as faixas entre 3,4 a 3,6 GHz – atendem a demanda das operadoras por espectro na principal fatia destinada para a nova tecnologia. Mas isso exige que as operadoras de satélite sejam deslocadas e, consequentemente, indenizadas. 

“Diversos aspectos levantam preocupações. O setor foi pego de surpresa pela decisão repentina de ampliar 100 MHz, em que há questões técnicas, jurídicas e econômicas que devem ser analisadas”, emendou a representante da Hispamar, Karina Gadelha.

Para as teles, além da indenização é preciso que fique antecipadamente esclarecido o tamanho do custo envolvido com a mitigação das interferências entre o uso da Banda C estendida pelo 5G e a recepção das antenas parabólicas. “Tudo isso precisa estar corretamente calculado e como parte integrante do preço mínimo [das faixas] para garantir previsibilidade”, destacou o diretor do Sinditelebrasil, Sérgio Kern. 

Nesse contexto, a interferência foi um dos motivos para os vários e repetidos pedidos para que a Anatel prorrogue o período de consulta pública, dobrando o prazo atual de 45 dias que se encerra em 2/4. Em particular, porque o relatório final dos testes de interferência só será apresentado em 24/4. 

Embora os vários pedidos de prorrogação do prazo devam ser avaliados pelo Conselho Diretor da agência nas próximas semanas, a área técnica sustenta que haverá resultados já disponíveis para o mercado. “Temos testes que serão realizados para receptores domiciliares e profissionais e teremos resultados parciais ao longo do tempo. Até o fim do mês já teremos resultados parciais que poderão ser usados”, afirmou o superintendente de outorga e recursos à prestação, Vinicius Caram. 


Internet Móvel 3G 4G
Bradesco é primeiro banco privado a aderir ao login único do governo

Assim como acontece com os clientes do Banco do Brasil e Banrisul, será possível acessar serviços do portal Gov.br utilizando as mesmas credenciais para o banco por meio do QR Code. As ações de transformação digital no governo serão tema do 5X5 TecSummit, que acontece de 07 a 11 de dezembro. No dia 07 de dezembro, teremos a participação do secretário de governo digital, Luis Felipe Monteiro.

Oi é única a crescer na TV paga, mercado que encolhe há seis anos sem reagir

No acumulado de janeiro a outubro de 2020, já se foram mais 660 mil acessos perdidos no segmento – e quase 5 milhões desde o pico, em 2014. 

Anatel encerra ciclo de TACs em acordo fraco com Algar

Depois de fracassar na troca de multas por investimentos com Oi, Vivo e Claro, agência contabilizou sucesso somente com a TIM e permitiu à Algar cortar mais da metade do acerto inicialmente firmado. 

Anatel renova faixa de 850 MHz para Vivo, mas nega pedido de redução de preço

Empresa renovou apelo ao regulador para que fosse aplicada a regra do preço público ou ônus de 2%, ambos abaixo do valor de mercado.

STF julga inconstitucionais leis de BA e RJ sobre créditos pré pagos e cobrança de serviços

Mais uma vez, Supremo ressaltou que, ainda que importantes ações em defesa dos consumidores, normas estaduais não podem invadir a competência privativa da União de legislar sobre telecomunicações. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G