Clicky

Convergência Digital - Home

Oi será broker multinuvem com AWS, Google, Huawei, Azure e IBM

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 13/05/2021

A Oi anunciou nesta quinta, 13/5, que vai lançar um serviço de multinuvem, Cloud Hub, inicialmente atuando como integradora das principais nuvens públicas – AWS, Google, Huawei, Azure e IBM – mas com a perspectiva de contar com uma nuvem pública própria a partir do segundo semestre de 2021. 

“Na próxima semana a gente lança uma nova solução de multicloud, a Cloud Hub”, afirmou a chefe da Oi Soluções, Adriana Viali, durante a divulgação de uma pesquisa idealizada pela empresa, e realizada pela IDC Brasil, sobre o estágio da maturidade das empresas brasileiras na transformação digital. 

“Nós aturaremos tanto na camada de infraestrutura, mas também na ajuda às empresas a gerenciar as múltiplas nuvens, na jornada de mudança do datacenter para a nuvem. Nosso papel é fazer o gerenciamento de forma integrada”, explicou o diretor de marketing B2B da Oi, Rodrigo Shimizu. 

“A gente vai ter multicloud com os principais parceiros de cloud pública, por exemplo AWS, Google, Huawei, IBM, Azure da Microsoft, todas as principais clouds públicas estarão embarcadas na nossa plataforma de multicloud, que prevê gerenciamento integrado, essa otimização da infraestrutura de nuvem para nossos clientes corporativos. E no segundo semestre também teremos uma cloud pública da Oi Soluções, que também estará conectada a esse ambiente de multicloud”, completou Shimizu. 

Pesquisa

A Oi apresentou o Indicador de Excelência em Tecnologia e Inovação, ou Inexti, desenvolvido pela IDC Brasil, que aponta como os temas tecnológicos estão inseridos na estratégia das empresas e de que forma se refletem na infraestrutura de TI, conectividade, segurança e serviços gerenciados. Mas a conclusão é de que ainda falta maturidade no mundo corporativo nacional. 

“Buscamos parâmetros para avaliar o encaminhamento estrutural e de governança da tecnologia dentro das empresas. E chegamos ao índice médio de 48 das empresas brasileiras, em uma escala de 0 a 100”, revelou o gerente de pesquisa da IDC, Luciano Saboia. 

Centrada em três pontos fundamentais, segurança da informação, modernização da infraestrutura e serviços de TI aplicados aos negócios, o índice médio se deu a partir da nota em cada um deles. E o resultado mostrou que a parte de segurança da informação é a mais fraca: 40,1. Em modernização de infraestrutura, a nota foi 54,3; enquanto em serviços aplicados, 49,7. 

“O melhor índice foi de modernização de infraestrutura, até porque várias empresas passaram a adotar nuvem para sobreviver a este momento tão desafiador. Mas vemos que a maioria das empresas ainda está mais preocupada em remediar, tomar providência após algum dano, enquanto medidas preditivas e preventivas ainda estão longe da realidade brasileira”, disse Saboia. 

O questionário da pesquisa está disponível para qualquer empresa que queira fazer sua própria autoavaliação no site www.oisolucoes.com.br. 


Destaques
Destaques

Multinuvem do Serpro vai concorrer com a do Ministério da Economia

Estruturada a parceria com AWS, Huawei e Azure, da Microsoft, estatal passa a disputar contratos com órgãos públicos, em briga direta com nuvem licitada e gerida pela Secretaria de Governo Digital.

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site