Clicky

NEGÓCIOS

Paulo Guedes insiste na cobrança de imposto à economia digital

Convergência Digital* ... 29/07/2020 ... Convergência Digital

Depois de uma reunião no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira, 27/07, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que não haverá aumento de carga de tributaria com a aprovação da reforma tributária mesmo com a criação de um novo tributo sobre operações digitais. Em agosto, o governo  planeja enviar ao Congresso, a proposta de criação de um “microimposto” digital, como está sendo chamado pela equipe de Guedes. Os cálculos iniciais apontam um potencial de arrecadação de R$ 120 bilhões ao ano, com uma alíquota de 0,2%. A ideia do governo é que o novo imposto incida sobre pagamentos ou comércio em meio eletrônico, o que pode incluir transferências e pagamentos feitos por meio de aplicativos de bancos, por exemplo.

O tema ganhou relevância porque o ministro e sua equipe já anteciparam que querem um novo imposto de base mais ampla do que a extinta CPMF, para financiar a desoneração da folha de salários (reduzir os tributos cobrados sobre os salários dos funcionários), o programa social Renda Brasil e o aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).  A CPMF foi um imposto que existiu até 2007 para cobrir gastos do governo federal com projetos de saúde – a alíquota máxima foi de 0,38% sobre cada operação.

“Não queremos aumentar os impostos. Não vão (aumentar). É redistribuição de carga”, afirmou o ministro. “Sempre houve, nos últimos 40 anos no Brasil os gastos do governo saem na frente, aprova segundo gasto, e depois aumenta os impostos, aprova mais gastos, aumenta os impostos. Nós estamos dizendo 'não, nós não vamos aumentar impostos'”, ressaltou. 

O ministro defendeu a ampliação da base em que deve incidir o novo tributo. Segundo ele, para compensar, o objetivo é reduzir as alíquotas do Imposto de Renda e reduzir “5, 6, 7, 8, 10” impostos.  “Se tiver uma base ampla onde você crie ali, sim, uma nova incidência para pessoas que não pagam, sejam pagamentos digitais, tem uma enorme economia em crescimento, uma economia digital nova surgindo”, explicou.

Segundo ainda Guedes, há segmentos novos em uma economia digital crescendo e essas empresas "às vezes nem pagam imposto nenhum". “Se a gente conseguir essa base ampla de gente que não paga imposto, que está em uma economia paralela, informal, de gente que está em uma economia criativa nova, mas que também não paga, porque é tudo digital, se nós conseguirmos essa base ampla nós conseguimos simplificar”, insistiu.


Red Hat: Open Banking não é uma norma, mas uma nova forma de fazer negócios

Saem as Web Services e entram as APIs para um desenvolvimento ágil e de forma mais colaborativa com um ecossistema de parceiros e baseado no open source, afirma o diretor de soluções da Red Hat para a América Latina, Boris Kuskas. "Não se muda apenas o negócio, mas tem de mudar a cultura, as pessoas e os processos", adiciona.

Dell: Na pandemia, tecnologia evidenciou as desigualdades e retomada passa pelo 5G

Coube à tecnologia evitar um colapso social e econômico ainda maior, afirmou o fundador da Dell, Michael Dell. Já o VP da Dell para a América Latina, Luis Gonçalves, lembrou que endereçar a brecha digital, aprofundada com a Covid-19, é essencial.

PF investiga venda de dados sigilosos de clientes da Caixa

A Polícia Federal deflagrou a Operação Venditionis para apurar se houve vazamento de dados de 127 clientes do banco.

Microsoft vai remover Adobe Flash do Windows 10 e anteriores

A atualização que remove o Adobe Flash também estará disponível para sistemas operacionais mais antigos, como Windows 8.1, Windows Server 2012 e Windows Embedded 8 Standard.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G