Clicky

OPINIÃO

A democratização do 5G e os desafios para as PPPs

Por Lincoln Oliveira*
14/10/2020 ... Convergência Digital

A evolução na qualidade das tecnologias de comunicação exige, cada vez mais, esforços meticulosos para democratizar e integrar os usuários de diferentes segmentos. Com a tecnologia 5G, que nos próximos anos deve ser implementada em nosso país, custos com banda larga serão drasticamente reduzidos. Em comparação com a rede 4G, em que a velocidade de média de conexão é de 33Mbps, a quinta geração é de 50 a 100 vezes mais veloz, fazendo com que os dados possam transitar em altíssima velocidade e com baixa latência.

Primeiramente, os custos com as instalações residenciais diminuirão. Para se ter uma ideia, hoje, para cada ativação realizada por uma PPP (Prestadora de Pequeno Porte), gasta-se em torno de R$ 500 a R$ 800. Já para as grandes provedoras de Telecom, esse valor pode chegar a até R$ 1.200. Isso porque é preciso entender que logo de saída grande parte do investimento da provedora se dará na construção da infraestrutura de rede, ou seja, cerca de 30% do valor investido será no cabeamento de fibra óptica que uma cidade, mesmo que pequena, deve demandar para suportar o grande volume de dados que o 5G exige.

Um estudo realizado em agosto pela multinacional finlandesa de telecomunicações Nokia, em parceria com a empresa de consultoria e pesquisa Omdia, revela que a expectativa de impacto da quinta geração de internet no país é de US$ 1,2 trilhão no período compreendido entre 2021 e 2035. Ou seja, em até 15 anos no máximo com o 5G será mais barato investir em infraestrutura e no cabeamento das cidades, além de permitir uma melhor experiência para o usuário, com mais rapidez e com maior capacidade de tráfego.

A democratização da nova tecnologia e a Lei das Antenas

É fundamental que as PPPs se estabeleçam como prestadores de serviço de excelência e fortaleçam sua presença nas cidades menores. Assim, quando forem contempladas pelo Leilão do 5G terão o compromisso de catalisar esta reação para que os consumidores, localizados em diversas áreas periféricas do país, consigam desfrutar dessa revolução com um serviço mais qualificado.

A quantidade de equipamentos ativos que circulam pela rede também será bem maior. Hoje, a atual infraestrutura comporta até 2.000 equipamentos ativos por km², enquanto a rede 5G poderá absorver até 50 vezes mais. Com mais capacidade, aumenta o leque de serviços, ao mesmo tempo em que os serviços ganham mais agilidade.

Junto a isso, algo que foi conquistado recentemente, e contribuirá para a democratização no futuro, é a Lei das Antenas (Lei 13.116/2015), uma antiga demanda do setor de telecomunicações. Com o decreto 10.480 (de 1º de setembro de 2020), essa legislação teve alguns pontos fundamentais regulamentados e será possível ter menos burocracia e mais possibilidades de aumentar a cobertura das redes, o que melhorará, e muito, a qualidade dos serviços.

Como o 5G é muito diferente das gerações anteriores, teremos um aumento na demanda de instalação de antenas e a Lei vem para contribuir nesse processo de evolução no mercado de Telecom. O acesso à internet é de extrema necessidade, mas cada município tinha suas próprias regras para instalar antenas e isto gerava (e ainda gera) muito retrabalho e entraves para o desenvolvimento de muitas regiões.

A verdade é que, no final do dia, existe espaço para todo o ecossistema que orbita o segmento de Telecomunicações no país. A concorrência no setor eleva a qualidade e quem ganha com isso é o cliente, o consumidor final, a sociedade, o país. Trabalhar em prol da democratização da prestação de serviços no 5G será peça-chave para que o desenvolvimento chegue em todos os cantos do Brasil, e com as PPPs se tornando protagonistas nesse cenário, essa jornada será mais ágil.

*Lincoln Oliveira é CEO da Americanet, uma das principais operadoras de telecomunicações e conectividade do país.


Carreira
Globalweb abre 188 vagas para profissionais de TI

Prestadora de serviços de TI busca especialistas em mais de 20 áreas das tecnologia, entre eles, testes, qualidades, cloud computing, UX e outras e analista para cobol, voltada para mainframes.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G