Clicky

Convergência Digital - Home

Menos de 40% das corporações tomam decisões baseadas em dados

Convergência Digital
Convergência Digital - 19/11/2020

As empresas movidas a dados superam amplamente seus pares em várias medidas financeiras, obtendo 70% mais receita por funcionário e gerando 22% mais lucros, de acordo com um novo relatório do Capgemini Research Institute. O  estudo aponta que, embora a aplicação de dados e análises esteja se tornando um pré-requisito para o sucesso, menos de 40% das organizações usam insights baseados em dados para gerar valor aos negócios e a inovação.

O domínio dos dados é fundamental para obter uma vantagem competitiva e as organizações que não tomam medidas concretas para conseguir isso terão dificuldade em acompanhar o mercado, destaca o relatório, mas apenas uma em cada seis (cerca de 16%) organizações pode ser categorizada como "data masters" com base em vários fatores de domínio de dados, incluindo as ferramentas e tecnologias de dados necessárias para usar e alavancar os dados, bem como a visão e governança de dados apropriada, habilidades e cultura.

A pesquisa mostra que 50% das organizações colocam os dados no centro da tomada de decisões. Em país e setor, a tomada de decisão baseada em dados é mais proeminente nos Estados Unidos (77%), Alemanha (69%) e Reino Unido (69%) e, em termos de setores, bancário (65%) e seguros (55%) são os mais baseados em dados. Embora tenha acontecido um progresso, na maioria (51%) das vezes, as empresas ainda usam dados históricos (uma abordagem reativa de tomada de decisão), o que significa que perdem uma vantagem competitiva. Apenas 23% das vezes eles usam abordagens preditivas, enquanto 18% das vezes usam abordagens prescritivas e usam uma abordagem autônoma ou de auto-otimização em apenas 8% das vezes.

Os "data masters" desfrutam de uma vantagem de 30% a 90% nas métricas de envolvimento do cliente, benefícios de primazia, eficiência operacional e economia de custos. Por exemplo, a pesquisa da Capgemini mostra que os "data masters" percebem um aumento de 19% nas vendas de novos produtos e serviços em comparação com 12% para o resto, uma melhoria de 63%.

O levantamento apura, porém, que existem gaps importantes entre a confiança dos executivos de negócios nos dados e a percepção dos executivos técnicos sobre essa confiança: apenas 20% dos executivos de negócios confiam nos dados, enquanto 62% dos executivos técnicos acreditam que seus usuários de negócios confiam. Das organizações nas quais os dados não são confiáveis, a pesquisa descobriu que apenas 24% conseguiram monetizar seus ativos de dados em comparação com 83% onde eles são confiáveis.

A má qualidade dos dados é o principal problema para essa desconfiança: apenas 27% dos executivos de negócios estão satisfeitos com a qualidade dos dados, enquanto 54% dos executivos técnicos acham que seus usuários de negócios estão satisfeitos com a qualidade. No entanto, as consequências da baixa qualidade dos dados são significativas, custando às empresas entre 15% e 25% de sua receita.

Embora muitas organizações tenham iniciado sua jornada de dados, menos de 40% são capazes de aproveitar o poder dos dados ativados. Em termos de setores, 54% dos líderes de negócios bancários concordam que o aproveitamento de dados ativados lhes deu uma vantagem competitiva sustentada, em comparação com apenas 32% dos líderes de negócios de varejo. Das empresas consideradas "data masters", 95% têm um Chief Data Officer (CDO) nomeado e 77% afirmaram que o CDO foi fundamental para concretizar a visão de dados de sua organização. Dada a proeminência dessa função, talvez não seja surpreendente que 84% das organizações pesquisadas declararam que seu CDO se reporta diretamente ao CEO, CIO/CTO ou Chief AI Officer. O roteiro geral para aproveitar os dados não precisa ser abordado apenas no departamento de tecnologia, mas deve ser incluso nos níveis de chefia.

Nesta pesquisa, a Capgemini entrevistou executivos técnicos que trabalham em funções de TI e dados, como TI, gerenciamento de informações, gerenciamento e análise de dados e inteligência de negócios de 500 organizações. Além disso, a Capgemini entrevistou executivos de negócios que trabalham em funções de negócios em 504 organizações. As pesquisas foram realizadas em agosto de 2020 e cobriram organizações com pelo menos US﹩ 1 bilhão em receita no ano financeiro anterior.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site