Clicky

SEGURANÇA

STJ: Ataque cibernético foi o pior já enfrentado por um órgão público no Brasil

Convergência Digital ... 20/11/2020 ... Convergência Digital

Todos os sistemas do Superior Tribunal de Justiça estão reestabelecidos, informa por comunicado o presidente da Corte, Ministro Henrique Martins. Foram 17 dias - o ataque cibernético aconteceu no dia 03 de novembro - trabalhando de forma reduzida e 26 horas completamente fora do ar.  Em nota, o STJ admite que "sofreu o pior ataque cibernético já empreendido contra uma instituição pública brasileira, em termos de dimensão e complexidade. Até então, nossa equipe não havia experimentado algo similar e, apesar de estarmos preparados, fomos levados a transformações que vão aperfeiçoar a forma como o Tribunal trata a segurança da informação".

No comunicado, o STJ reporta que 'todos os trabalhos de restabelecimento dos sistemas estão concluídos, o que possibilitou a retomada das atividades da Corte – remota e presencialmente, estando o acesso garantido, com segurança, a todos os usuários.' O informe ressalta a participação de 'mais de 50 servidores do quadro permanente do STJ estiveram envolvidos, com dedicação ímpar, no processo de recuperação dos sistemas e dados. A toda a equipe da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (STI), nosso agradecimento.'

O STJ reconhece que por 26 horas após o ataque, o ambiente de rede não pôde ser manipulado, a fim de preservar as provas do ato criminoso. A Polícia Federal continua apurando os efeitos do ataque, inclusive com relação à extensão do acesso aos arquivos e eventual cópia de dados. Colaboram com a investigação, que corre sob sigilo, o Comando de Defesa Cibernética do Exército brasileiro e o Serpro.

O comunicado afirma ainda que, ppós a perícia forense, 'o STJ teve a liberação do ambiente virtual para reconstrução de sua rede e restabelecimento dos sistemas. Oito fabricantes de tecnologia (hardware e software) somaram-se à equipe da STI, fornecendo suporte e apoio técnico. Outras três empresas atuaram como consultoras – Microsoft, Atos Brasil e Redbelt Security. Pode-se dizer, sem dúvida, que o aprendizado foi diário para todos. A essas empresas e a seus cerca de cem profissionais que atuaram no restabelecimento dos sistemas e backups, nosso agradecimento.'

Por fim, o comunicado insiste que 'O STJ não parou. De 4 a 9 de novembro, o plantão judiciário da Presidência assegurou a análise dos pedidos de medidas urgentes encaminhados à Corte. No dia 9 de novembro, o Sistema Justiça e suas funcionalidades foram restaurados, o que possibilitou a retomada dos julgamentos no STJ. No dia 10, a distribuição de processos a todos os ministros foi restabelecida.'

O STJ destaca que ' as ações internas de reestruturação e de elevação de segurança de dados do STJ serão constantemente aprimoradas. Existem desafios que ainda precisam ser vencidos, entre os quais a revisão de políticas, a arquitetura de tecnologia e a adaptação à realidade da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. Há apoio incondicional dessa gestão para elevar o nível de segurança da informação oferecido. Este é um ativo institucional do qual não abriremos mão.'


Fabricante de cabos de fibra ótica no Brasil sofre ataque hacker

A Belden, dona da Poliron no Brasil, e fabricante local de fibra ótica e equipamentos de redes usados nos setores de transporte, petróleo e gás, entre outros, assumiu que teve os servidores invadidos nesta terça-feira, 24/11.

Militares criam sistema integrado de defesa cibernética

Comando de Defesa Cibernética, já existente, será o órgão central e comando operacional das estruturas de cada uma das Forças. 

TSE admite que ataques hackers podem ter causado instabilidade no e-Título

Tribunal criou uma comissão, presidida pelo ministro Alexandre de Moraes, para acompanhar as investigações sobre ação de hackers. Em nota, o TSE diz que que 'as investidas cibernéticas podem ter ocasionado instabilidades no aplicativo e-Título e no sistema de processo judicial eletrônico (PJe)'.

Muitas empresas só planejam segurança quando dói no bolso e na carne

O diretor da Microhard, Glicério Ruas, diz que a conscientização é o maior gargalo dentro das corporações. Segundo ele, muitas acham que basta ter um antivírus, quando o maior risco, hoje, está na vulnerabilidade de aplicativo.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G