Clicky

NEGÓCIOS

Competitividade: o mantra do Brasil no jogo da economia digital

Ana Paula Lobo e Pedro Costa ... 25/03/2021 ... Convergência Digital

O Brasil tem vocação para a tecnologia, mas ainda não fez o dever de casa, afirmou o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo, em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, após a realizado do Brasscom TecFórum 2021. A entidade definiu três objetivos estratégico para o ano, definidos como pouco diferentes dos anos passados, mas absolutamente críticos para a era digital.

"O Brasil precisa trabalhar a sua competitividade para ter o desenvolvimento exigido pela sociedade. Sem competitividade, o Brasil perde o jogo da transformação digital", observou Gallindo. Nessa área, a reforma tributária ganha prioridade. Para a Brasscom, é preciso modernizar e simplificar o sistema tributário, retirando o excesso de 'casos particulares' para viabilizar a desoneração do emprego. "Digo que não é um pleito setorial de TIC. A desoneração do emprego será boa para toda a economia", adiciona Gallindo.

O segundo ponto passa pela formação de talento. Gallindo diz que é imprescindível investir e qualificar os profissionais no Brasil. Ele lembra que TIC vive uma crise pelo excesso de empregos não concretizados. "É uma realidade bem dura. Há vagas, mas faltam pessoas qualificadas o suficiente. Chegou a hora de fazermos o dever de casa. O Brasil tem vocação para tecnologia. Mas se não agir vamos ter de contratar mão de obra fora do país", reforçou o executivo da Brasscom.

Em igualdade de prioridade desponta o terceiro ponto: o uso intensivo de dados para todas as aplicações. Gallindo lembra que a pandemia de Covid-19 fez a era digital chegar para valer e só haverá vida e cidadania digital se houver cuidado com esses dados com a Lei de Proteção de Dados e a segurança da informação. Com relação à LGPD, Gallindo lembra que ela foi a legislação possível e é um patrimônio brasileiro por ter sido elaborada a partir da participação de diferentes e distintos setores. "Mas ela precisa funcionar, tem muita coisa por fazer, muita coisa por regularizar. Precisamos de ter as boas práticas, mas estamos fazendo", observa.

Respondendo por 6,8% do Produto Interno Bruto do Brasil, TICs ainda trabalha para convencer as autoridades e os legisladores da sua relevância para o desenvolvimento do Brasil. "Mas avançamos muito. Exige um melhor entendimento. A desoneração da Internet das Coisas foi um grande ganho; a nova regra do FUST também e o leilão 5G priorizar investimento e não a arrecadação para os cofres públicos também. Amadurecemos. A verdade é que a sociedade brasileira hoje não se olha pelo espelho, mas se olha pela videoconferência.". Assistam a entrevista exclusiva com o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Cloud Computing
Supercomputação definida por software chega ao mercado em 2023

Centro Nacional Suiço de Supercomputação (CSCS),  a Hewlett Packard Enterprise (HPE) e a NVIDIA Enterprise estão construindo o que definiram como o supercomputador com IA mais poderoso do mundo, com arquitetura de software nativa em cloud.

Intelsat contrata e abre centro de suporte a clientes no Brasil

Para o centro brasileiro, localizado no Rio de Janeiro, a empresa de satélite contratou 10 funcionários, que serão responsáveis pelo atendimento a clientes no país e em toda a América Latina.

Competitividade: o mantra do Brasil no jogo da economia digital

Em entrevista à CDTV, o executivo falou sobre os três objetivos estratégicos para 2021: reforma tributária digna para desonerar o emprego; formação de talento e medidas para garantir o uso intensivo de dados.

Produção setorial de TIC foi de R$ 506,5 bilhões em 2020

Apesar da crise econômica agravada pela Covid-19, o setor de TI e Comunicação cresceu 2.4% no ano passado, de acordo com dados da Brasscom. O segmento de software e serviços gerou R$ 216,1 bilhões, com crescimento de 5,1% e o de telecom, R$ 240,5 bilhões, mas com uma queda de 0,4%. Setor respondeu por 6,8% do PIB nacional.

Software brasileiro tem futuro ameaçado por falta de pessoas qualificadas

"O Brasil não tem de ser um celeiro de mão de obra, um BPO. Temos de fazer tecnologia. Mas falta política pública. Em 20 anos, nada aconteceu", lamenta o CEO da Plusoft, Solemar Andrade.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G